PDA

Ver Versão Completa : Tutorial de Instalação Slackware – Versão 2



gu1le
10-05-2017, 19:05
2017




Tutorial de Instalação Slackware



1 – enter

2 - 1 enter. Selecionar o teclado apropriado

3 - Testar o teclado e continuar com 1

4 - Usar o comando cfdisk para criar as partições

5 - Recomendo criar como gpt, uma partição de, no máximo 2 gb de swap e o restante como linux filesystem

4 - Rodar o programa setup

5 - Criar swap, o /, recomendo usar ext4 se for principiante

6 - O setup vai detectar o dvd automaticamente

7 - Escolher os grupos de pacotes.

8 - Se for principiante, escolha a opção full, senão, pode escolher uma das outras opções

9 - Instalação do Linux boot loader - LILO. Recomendo instalar automaticamente.

10 - Console - Recomendo Standard

11 - Parametros extras do Lilo, na maioria das instalações não é necessário

12 - Escolha da codificação. UTF-8 é a mais compatível, pois abrange várias línguas.

13 - Instalação do Lilo no MBR (Master Boot Record)

14 - Configuração do mouse. escolha o modelo do seu mouse na lista

15 - Definição do hostname. É o nome que dará para a máquina. Aqui batizei de darkstar, que é o nome que o Slackware dava para as máquinas nativamente em 1993

16 - Nome do domínio. Se não fizer parte de uma rede com domínio definido, recomendo usar local

17 - Configuração da rede. DHCP atende à maioria dos usuários

18 - Serviços a serem iniciados na maquina. Esses serviços podem ser ativados depois, o que recomendo.

19 - Escolha de fontes para a tela console. Melhor deixar no default

20 - Definição do relógio da máquina. Defina se a hora é local ou se é definida como UTC. A maioria dos usuários tem máquinas com horário local no relógio

21 - Escolha do Timezone. No caso desse tutorial, Brazil/East que compõe toda a área que se submete ao horário de verão no Brasil.

22 - Escolha do xinit. No Slackware o default é kde. Mas pode escolher qualquer interface que se queira.

23 - Definição da senha de root. Escolha uma senha forte, de pelo menos 12 caracteres, usando os 4 elementos do teclado: letras minúsculas, letras maiúsculas, numeros e símbolos

24 - Tire o dvd e reinicie o servidor.



#### Ambiente gráfico ####


1 - Para o xorg, que é o responsável pelo ambiente gráfico, hoje em dia raramente é necessário qualquer tipo de configuração. Para testar e ver se está tudo certo, se logue como root e digite o comando xinit

2 - Uma tela com o ambiente gráfico escolhido deverá acontecer. Se não abrir como esperado, e a tela ficar distorcida, use a combinação de teclas Control-Alt-Backspace para sair do ambiente gráfico e voltar para a console. Nesse caso, configure o ambiente gráfico usando o comendo xorgsetup

3 - Após a configuração, rode novamente o comando xinit para ver se tudo ocorreu como esperado.

4 - Depois de tudo configurado, a maioria dos usuários quer que seu ambiente gráfico rode automaticamente na inicialização. Para isso, use o comando nano /etc/inittab

5 - O arquivo contem algumas explicações, mas o importante é saber que o init 3 significa inicialização completa no modo console, com rede e todos os componentes inicializador e o modo 4 é igual o 3, mas com interface gráfica. Altere a linha que diz “id:3:initdefault” para “id:3:initdefault”.

6 - Saia do nano com o comando control-x, yes, enter

7 - Reinicie o computador. Dessa vez ele deve entrar, automaticamente, na interface gráfica.

8 - Na “seta pra baixo” você escolhe o ambiente que gostaria de entrar. Eu configurei o KDE como default, mas é possível escolher qualquer uma das interfaces disponíveis: Blackbox, FVWM, Flusxbox, KDE Plasma, MWM, TWM, WindowMaker e XFCE. Encorajo que experimente todas, e veja qual atende melhor às suas necessidades. Algumas são mais pesadas, outras mais leves, mas cada uma das interfaces tem suas características e cada usuário tem suas necessidades.

9 - Por segurança, a interface escolhida como default por mim, não mostra os usuários disponíveis. Ou seja, precisa preencher o nome de usuário e a senha.




#### Usuários ####


1 - Como qualquer sistema operacional, não é recomendado usá-lo com usuário de plenos poderes. Para a criação de um usuário sem acessos de administração, pode-se usar o comando adduser.

2 - Preencha o login do usuário

3 - Recomendo que deixe o UID como default

4 - Grupo inicial, também como default, que vai colocar o usuário no grupo users

5 - Os grupos adicionais, para permitir que o usuario monte um disco ou mesmo ouça música. Recomendo colocar esse usuário, que acessará à console diretamente, que coloque nos grupos: audio cdrom floppy plugdev video power netdev lp scanner. Talvez não seja necessário todos esses grupos mas, de qualquer maneira, não são grupos que apresentam riscos ao ambiente. Para coloca-los todos automaticamente na criação, basta usar a seta para cima, que eles aparecerão.

6 - O Home directory é onde os arquivos do usuário serão criados. Recomendo deixar no default que tem o formato /home/user

7 - A shell comumente usada em Linux é o Bash. Recomendo deixar com o default

8 - Data de expiração geralmente não é necessário para usuários caseiros. Se for o seu caso, deixe em branco. Ou então preencha a data no formato ano-mes-dia conforme a instrução.

9 - Uma vez preenchido todos os campos, basta dar enter para criar o usuário, ou control-c caso veja alguma irregularidade.

10 - O sistema pede o nome completo, que é usado apenas para identificação mais fácil posteriormente

11 - Pede mais dados, como ramal, telefone de casa, telefone do serviço e outros telefones. Esses campos são 100% opcionais.

12 - A senha do usuário. Recomendo que use o mesmo critério que foi usado para o usuário root

13 - Pronto, seu usuário está pronto para ser usado.

14 - Volto a recomendar que só use o root em caso de necessidade de alterações no ambiente. Fora isso, use um usuário sem privilégios como esse que acabou de criar. Experimente usá-lo na interface gráfica.







Como Instalar Slackware


Para instalar o Slackware utilisaremos uma VM - Virtual Machine ou seja, usaremos o VirtualBox.

Preparando o Slackware para rodar em VM.

Abrindo o VirtualBox clique no botão azul, Novo.

Na janela que se abrir, em “Nome” escreve: Slackware , em tipo: Linux e versão: Ubuntu 64-Bit, pois eu uso uma máquina com sistema operacional Linux 64 Bit. Agora clique no botão Próximo.







Na janela seguinte, Tamanho da memória, escolha o tamanho mínimo para Slackware que é 1024MB é igual a, 1GB. No mundo Linux,isto é importante.

1024MB=1GB.




Clique no Botão, Próximo.

Na janela seguinte, escolha VDI para Linux e VMDK para Windows (acho), clique no botão Criar. Eu escolho VDI.

Na próxima janela, escolha sempre a opção: Dinamicamente alocado e clique no botão Próximo.

A próxima janela, será Localização e tamanho do arquivo, de no mínimo 32GB. Caso você queira apenas treinar a instalação, acho que 20GB dá conta do recado.

No Linux, isto já te levará a janela do VirtualBox, e você clicará no botão iniciar.

Na janela que se abrir, deve-se localizar onde está a ISO do Slackware e escolher ela.

Agora a VM começa a trabalhar.




Agora inicie o Slackware.


Na primeira tela tecle <enter> ou aguarde 2 minutos



Selecione o tipo de Teclado, tecle: 1



Geralmente no Brasil, deve-se escolher: qwerty/br-abnt2.map (o Ç vira um quadradinho preto, mas tudo mais tá beleza)

Teste o teclado. Se ficou bom, enter e tecle 1 e enter. Se não ficou bom enter, tecle 2 e enter, para escolher teu tipo de teclado.


Escolha o Login, teu nick. Tecle <enter>. Geralmente o pessoal usa como nick: root




Na próxima tela, você irá particionar o teu disco rígido.

É claro, que você já deveria ter particionado previamente o HD e saber exatamente o nome da partição (sda, sda1, sdb...) que iria instalar o Slackware, se não estivéssemos usando uma VM.

Para particionar seu disco rígido, podemos usar comandos: cfdisk ou fdisk

Eu uso cfdisk. Então escrevo cfdisk. Enter



Na próxima tela escolha um setor, eu escolhi: gpt




A pŕoxima tela, oferece a visão das partições, você encontrará a tua partição pelo tamanho. 32GB. Como estamos numa VM, o Slackware entende que tem a disposição um HD de 32GB.





Escolha new e enter.

Será pedido o tanhanho da partição. Você diminui esta partição de 32G para 29G, pois 3G serão reservados para Linux/Swap.



Dê enter e a tela fica assim:



Em Free space você verá os 3G, selecione 3G vá em New <enter>.

Agora temos de ir em Type dizer ao Slackware que esta partição é Swap.

Então > Type, enter.

Aparecerá uma lista. Escolha Linux swap e enter.

Após isto temos que fazer o Slackware escrever isto.



Escolhemos Write, enter e “yes” enter. Depois deslisamos para Quit e damos enter.





Agora chegamos a sincronização de discos, ou no caso da VM é a ISO e o HD virtual, dinamicamente alocado de 32GB particionado em dois.

Uma parte de 29G onde ficará o sistema e a área de troca de 3G, que é chamada Linux swap.


Para começar a configurar digita-se setup. Dê enter.




Na janela que se abrir, escolha Set up your swap partition(s) , escolha OK.




Dê enter. OK de novo e enter.

Na próxima Janela “CHECK SWAP PARTITIONS FOR BAD BLOCKS” escolha No e enter.


Agora, seu espaço de troca está configurado.


Na próxima Janela “Select Linux installation partition” você verá que o Slackware reconheceu a partição que você criou de 29G , escolha < Select > e de enter.




Na próxima janela escolha > “Format Quick format with no bad block checking” e enter.

Escolha ext4 e enter. Ext4 é a extenção que vai ficar formatado o espaço de 29G. È atualmente o padrão no Linux.

Apos executar o que eu te disse acima a tela ficará assim:



Escolha abaixo a opção 1 pois estamos usando uma imagem ISO, mas o Slackware entende que é um DvD por causa da virtualização.



Agora, na próxima tela, escolha a opção auto e escolha ok e de enter. Hei, eu não vou ficar mostrando todas as imagens de tela viu?

Na próxima tela, você poderá instalar a área de trabalho que desejar. Como jávem pré-selecionado eu recomendo não mudar nada, mas, com a barra de espaço e pode habilitar e desabilitarasopções e outras coisas. Mas apenas dê enter, depois escolha full.


Esta imagem abaixo, faz parte da sequência de instalação. O Slackware, instala um Kernel original de Linus Torwalds, isto é, para alguns… Deus. Kkkkkk.





Ao final da instalação, o Slackware pede rebbot.

Dê o reboot, seu login será: root e usará a senha que você criou.

Você estará no Slackware, mas ainda não tem nenhuma área de trabalho.

Calma que você não fez nada errado.

Digite no terminal: startx e dê enter.

O ambiente de trabalho iniciará.

O resto é intuitivo.

Mas posso escrever um tutorial de pós-instalação do Slackware, ou você pode escrever um tutorial de pós-instalação e postar em toda parte, espalhando a palavra e desmistificando a lenda que diz o Slackware ser difícil de instalar.

O resto, é moleza. Recomendo que assistam a este vídeo em Espanhol:

Como Instalar Slackware 14.2





Mensagem final:


Não é para novatos, vamos admitir.

Mas com este meu tutorial e o vídeo, qualquer pessoa que tenha interesse, ou ao menos queira se orgulhar (com toda razão) de saber usar Slackware e tirar onda com os amigos que não sabem pode utilizar o sistema operacional criado por Linus Torwalds, com o Kernel original do Linus e viajar pela web, e usar aplicativos de ponta com cabeça erguida, tipo, se eu estou usando este sistema eu fiz por merecer, e agora, sou um pouco mais livre e esperto.


IMPORTANTE:

Correção de texto. Algumas info estavam incorretas. Abaixo a correção:


- O Slackware não foi a primeira distribuição, nem foi criada pelo Linus. A primeira distribuição foi a MCC Linux, lançada em fevereiro de 1992.
- O Slackware foi concebido pelo Patrick Volkerding, usando o MCC e o SLS como base.
- O Slack está longe de ser a versão mais dificil de instalar. O Arch, por exemplo, é bem mais complexo, pois não tem um instalador amigável. É tudo, mais ou menos, feito à mão
- Você pode usar Slackware para derrubar um satélite, assim como qualquer outra distribuição. É o mesmo kernel assim como as mesmas bibliotecas, principalmente a glibc.
- Todas as distros usam o código disponibilizado pelo kernel.org. Ou seja, todas usam o código criado pelo Linus. Muitas fazem seus próprios patches para atender a determinadas tarefas exclusivas da disto, mas o kernel é o mesmo, baixado do mesmo site e o Linux é apenas o kernel. Todo o resto é colocado pela distro, incluindo as shells, compiladores, etc.
- O Slackware decidiu tirar o gnome como opção por ele ter se tornado muito invasivo
- O linux, em si, era uma coisa que só programadores, nerds e hackers conseguiam usar. O próprio todo poderoso RedHat não era fácil no começo.

Recomendo um gráfico muito legal: https://upload.wikimedia.org/wikiped...n_Timeline.svg

Para saber mais:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Linux
https://pt.wikipedia.org/wiki/Lista_...ições_de_Linux
https://pt.wikipedia.org/wiki/Slackware
https://pt.wikipedia.org/wiki/Patrick_Volkerding
https://pt.wikipedia.org/wiki/Distribuição_Linux
http://www.hardware.com.br/guias/ent...oes-linux.html
http://www.linuxdescomplicado.com.br...rincipais.html



É isto.




Até Breve.





gu1le

darksidebr
10-05-2017, 19:44
Obrigado @gu1le (http://tocadacoruja.net/forum/member.php/60833-gu1le).