PDA

Ver Versão Completa : Anotações Linux Mint - Serena - Parte1



gu1le
24-04-2017, 06:01
----------------------------------
*Linux Mint*O Retorno*
---------------------------------




2017-Abril
.
.
.
.
.
.
.
.
ANOTAÇÃO-LINUX-MINT-SERENA-GUIA-PÓS-INSTALAÇÃO-2017
.
.
.
.
.
.
Eu pesquiso anoto e executo o material publicado. Gosto de estudar estas coisas.
.
.
.
.
Depois eu publico as anotações.
.
.
.
.
Espero que estas anotações sejam úteis a você assim como elas são para mim.
.
.
.
.
.
O legal de usar anotações, é que se você não souber nada de Linux e usar estas anotações no esquema ir lendo e executando o que as anotações informam. Ao fim deste caminho você vai ver as coisas mais claramente.
.
.
.
.
.
Somos eternos aprendizes. A estrada do conhecimento não tem fim e isto, é o melhor de tudo.
.
.
.
.
.
--SemanickZaine
.
.
.
.
.
.
.
.
.
------------------------------------------------------
.
.
INSTALAÇÃO DO LINUX MINT
.
.
.
.
.
.
.
O Linux Mint é um sistema operacional muito moderno. Seu desenvolvimento começou em 2006. No entanto, ele é construído sobre uma base de software muito testada e madura, incluindo o kernel Linux, as ferramentas GNU e o desktop Cinnamon. Ele também conta com os projetos Ubuntu e Debian e usa seus sistemas como base.
.
.
.
.
.
.
"Você pode baixar gratuitamente o sistema operacional Linux Mint. Ele vem como um arquivo ISO, o qual precisa ser gravado em um DVD virgem, criando assim um LiveDVD.
.
.
.
.
.
Este LiveDVD é inicializável e, após colocado em seu computador e inicializado, fornece um sistema operacional totalmente funcional, que você pode experimentar sem afetar o seu PC. Em termos leigos, quando você grava o Linux Mint em um DVD e o insere no drive de seu computador, pode então, experimentá-lo, deixando seu sistema atual intacto.
.
.
.
.
.
.
Nota: Também é possível gravar a imagem ISO num pendrive ou outro dispositivo de memória e então carregar o sistema operacional a partir dele, além de também ser possível fazê-lo através de uma imagem armazenada no disco rígido. Entretanto, essas opções são um pouco mais avançadas. Para saber mais sobre esses métodos alternativos, por favor visite os Fóruns de ajuda."
.
.
.
.
.
.
.
.
O arquivo que precisa baixar é um arquivo ISO. Há duas maneiras de fazer o download deste arquivo: por torrent, o qual utiliza o protocolo Peer to Peer, que quer dizer Ponto a Ponto em português, ou através de um espelho de download (protocolo HTTP ou FTP). Uma vez que o download tenha terminado, certifique-se de que o seu arquivo ISO não está corrompido, verificando a sua assinatura com o SHA256.
.
.
.
.
.
.
.
.
Via Torrent
O Torrent é um protocolo Peer to Peer (P2P). Basicamente, em vez de baixar a imagem ISO a partir de uma localização central, o torrent realiza o download do arquivo ISO em partes, a partir de diferentes pessoas que estejam conectadas à Internet.
.
.
.
.
.
.
.
.
Quanto mais pessoas baixarem o arquivo ISO, mais rápida a velocidade de download. Esta é a forma mais usada e recomendada para baixar o Linux Mint.
.
.
.
.
.
.
.
.
Instalar um Cliente Torrent
.
Para baixar os arquivos via torrent é necessário um pequeno software chamado de cliente torrent. Se você estiver utilizando uma outra distribuição Linux, pode instalar o Transmission. Porém, se estiver no Linux Mint, o Transmission já estará instalado. Por fim, se estiver utilizando o Windows, poderá usar o aplicativo μTorrent.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
A fonte desta info é do Site Oficial do Linux Mint.
.
.
.
http://www.linuxmint.com/
.
.
.
.
.
.
----------------------------------------------------------
*Para eu não esquecer: Linux-Mint-Mate-Pós-Install-Serena-2017*
----------------------------------------------------------
.
.
.
.
REBOOT PAINEL DO LINUX MINT 18.1 SERENA
.
.
.
.
Fiz uma besteira e o meu painel ficou bagunçado. Abro o terminal e executo o seguinte comando abaixo:
.
.
.
gsettings reset-recursively org.cinnamon (ESTE É PARA CINNAMON)
.
.
.
gsettings reset-recursively org.mate.panel (ESTE É PARA MATE)
.
.
.
.
.
.
.
----------------------------------------------------
Linux Mint 18.1 Serena
ATALHOS DE TECLADO PARA O EMULADOR DE TERMINAL LINUX
----------------------------------------------------
.
.
.
.
Atalho Função
.
.
.
Ctrl + a Move o cursor para o início da linha
----------------------------------------------------
Ctrl + e Move o cursor para o final da linha
----------------------------------------------------
Ctrl + l Limpa a tela, semelhante ao comando clear
----------------------------------------------------
Ctrl + u Apaga do cursor ao início da linha.
----------------------------------------------------
Ctrl + k Apaga do cursor ao final da linha.
----------------------------------------------------
Ctrl + w Apaga uma palavra antes do cursor.
----------------------------------------------------
Ctrl + _ Desfaz as últimas mudanças.
----------------------------------------------------
!! Executa o último comando no histórico.
----------------------------------------------------
!abc Executa o último comando no histórico começando com abc.
----------------------------------------------------
!n Executa o comando de número n no histórico.
----------------------------------------------------
^abc^xyz Substitui a primeira ocorrência de abc por xyz no último comando e executa o mesmo.
----------------------------------------------------
.
.
.
.
.
.
.
------------------------------------------------------------
*Minhas-Anotacoes-Guia-Pós-Instalação-Linux-Mint-18.1-Serena-LTS-2017*
------------------------------------------------------------
.
.
.
.
.
.
.
.
Me lembro que o terminal do Linux tem sensibilidade a letras maiúsculas e minúsculas. Um arquivo chamado Texto.txt é diferente de texto.txt
.
.
.
.
.
.
.
.
COMO VERIFICAR SE UMA IMAGEM ISO ESTÁ CORROMPIDA OU ADULTERADA?
.
.
.
.
.
Primeiro de tudo eu vou pesquisar no site do Linux Mint. Abro o terminal onde esa a imagem ISO do Linux Mint. Posso usar:
.
.
.
.
sha1sum nome_completo_da_ISO
.
.
sha256sum nome_completo_da_ISO
.
.
.
.
Comparar as letras e números se conferem com as letras e números do site oficial Linux Mint.
.
.
.
.
Crio uma pasta chamada ISO na pasta Home
.
.
.
.
Movo a Imagem ISO baixada para esta pasta
.
.
.
.
.
Baixo 2 arquivos do site oficial Linux Mint são eles:
.
.
.
.
sha256sum.txt
.
sha256sum.txt.gpg
.
.
.
.
A pasta ISO fica com 3 arquivos a imagem ISO e os dois acima.
.
.
.
.
Com o mouse abro o terminal nesta pasta e dependendo do caso, digito os 3 comandos abaixo um de cada vez, o mais importante é o último:
.
.
.
.
cd
.
.
.
.
cd ISO
.
.
.
.
sha256sum -b *.iso
.
.
.
.
.
O último comando deve mostrar o SHA256 e compare com o encontrado no texto
.
.
.
.
sha256sum.txt
.
.
.
.
Pode também tentar o comando abaixo mas as instruções acima para mim é o suficiente (preguiça):
.
.
.
.
sha256sum --ignore-missing -c sha256sum.txt
.
.
.
.
Pronto! Se estiver tudo certo, dizem que posso usar a imagem ISO tranquilamente.
.
.
.
.
.
.
.
.
--------------------------------------------------------
*Tenho que ver se tem updates e atualizações de segurança para meu sistema ficar protegido. Vou tentar usar o aptitude que eu usei no Debian.*
--------------------------------------------------------
.
.
.
.
.
sudo apt-get install aptitude -y ; sudo apt-get update ; sudo aptitude update && sudo aptitude upgrade
.
.
.
.
.
.
.
O Linux Mint quando você instala um pacote diz que recomenda instalar tal e tal pacote, mas não instala ele pra mim, isto é uma medida de precaução para não desestabilizar o sistema com algum programa extra, ou um monte de dependencias exigidas por um pacote como por exemplo o K3B. Eu acho isto legal.
.
.
.
.
.
.
.
Vou instalar estes pacotes, pra dvd e zip
.
.
.
.
.
sudo apt-get install p7zip-rar libdvd-pkg ; sudo apt update
.
.
.
.
.
.
.
Quero saber qual se é mesmo o Linux Mint serena que estou usando. Digito o comando [ lsb_release -a ] abaixo e recebo a resposta:
.
.
.
.
.
.
~ $ lsb_release -a
No LSB modules are available.
Distributor ID: LinuxMint
Description: Linux Mint 18.1 Serena
Release: 18.1
Codename: serena
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Quero saber o espaço em disco do sistema de arquivos usado por todas as partições. "df", "df -h" digito e recebo a resposta sobre a quantidade de disco rígido HD no meu computador:
.
.
.
.
.
~ $ df -h
Sist. Arq. Tam. Usado Disp. Uso% Montado em
udev 1,9G 0 1,9G 0% /dev
tmpfs 387M 6,3M 381M 2% /run
/dev/sda1 158G 33G 118G 22% /
.
.
.
.
.
.
.
.
O SÍMBOLO DA RAIZ DO SISTEMA TOTAL É UMA BARRA /
.
.
.
.
.
~$ cd /
.
.
.
.
.
Aperto enter e estou na raiz total do sistema e se eu mexer aí ou deletar ele, acabou-se tudo. Para confirmar digito pwd
.
.
.
.
~$ pwd
/

.
.
.
.
.
-------------------------------------------------------
Eu antes de instalar qualquer coisa, vou primeiro remover os programas que eu não preciso. Não vou fazer isto usando terminal, vou remover os programs pelo software center do Linux Mint que hoje é chamado de Gerenciador de Aplicativos. Eu encontro o Gerenciador de Aplicativos escrevendo o nome dele no menu. O que o Gerenciador de Aplicativos permitir que eu remova eu removo desde que sejam os itens abaixo:
.
.
.
.
.
.
.
Hexchat, Pidgin, Tomboy, LibreOffice, Brasero, X-Player, Xed, Xviewer, Xreader, samba
.
.
.
.
.
.
.
Não vou executar o comando abaixo:
.
.
.
.
sudo apt remove hexchat pidgin libreoffice brasero x-player xed xviewer xreader samba
.
.
.
.
.
.
Caso venha a precisar, depois eu reinstalo.
-------------------------------------------------------
.
.
*Aqui já de cara, executo um comando antes de começar a brincadeira. Eu quero instalar lm-sensors, finger, fortune, cowsay, speedtest-cli, w3m, w3m-img e links. Vou usar aptitude também. Copio e colo no terminal a sequência abaixo, digito a senha (não aparecerão números nem simbolos) e aperto enter*
-------------------------------------------------------
.
.
.
.
.
~$ sudo apt install lm-sensors && sudo apt install finger fortune cowsay && sudo apt install speedtest-cli w3m w3m-img links && sudo apt update
.
.
.
.
.
É BOM DE IMEDIATO, EU IR TOMANDO INTIMIDADE COM O TERMINAL POIS, ELE É MEU ALIDADO. É UM AMIGO QUE EXISTE PARA SIMPLIFICAR E FACILITAR A MINHA VIDA. NÃO É ALGO COMPLICADO OU ARRISCADO QUE APENAS USUÁRIOS AVANÇADOS PODEM USAR.
.
.
.
.
.
.
----------------------------------------------------
Guia-Pós-Instalação-Linux-Mint-18.1-Serena-LTS-2017
----------------------------------------------------
COMANDOS BÁSICOS W3M - PROGRAMA NAVEGADOR INTERNET QUE RODA NO TERMINAL
.
.
.
.
shift+h
.
.
.
w3m google.com
.
.
.
shift+b
.
.
.
shift+u
.
.
.
.
.
.
.
.
---------------------------------------------------
SOU INICIANTE, ENTÃO QUERO APRENDER COMANDOS BÁSICOS DO TERMINAL DO LINUX QUE SE CHAMA BASH (BOURNE AGAIN SHELL).
---------------------------------------------------
.
.
.
.
No mundo do computador, tem SOFTWARE e HARDWARE.
.
.
.
.
Hardware é a parte SÓLIDA e software é VIRTUAL.
.
.
.
.
O Software controla o hardware. Em termos simplificados é isto.
.
.
.
.
.
Executar comandos no terminal com sucesso é um dos meus objetivos como iniciante.
.
.
.
.
.
.
.
.
----------------------------------------------------
.
.
.
.
O Kernel é o programa que está mais próximo do hardware.
.
O kernel é a ponte que permite os programas conversarem com o hardware.
.
O hardware responde aos aplicaticos por meio do Kernel.
.
Deve ser por isto, que estão sempre atualizando o Kernel.
.
Os Kernels mais antigos não respondem bem a novos hardwares e pode ser que certos programas não funcionem bem se usar um Kernel antigo.
.
Os aplicativos não conversam com o Hardware conversam com o Kernel ai sim, o Kernel sim conversa com o Hardware.
.
O Bash é um dos muitos interpretadores de comandos que existem e é o usado no Linux.
.
Tem outros como o CSH o DOS o POWERSHELL e outros.
.
.
.
.
.
O SHELL É O INTERPRETADOR DE COMANDOS DO TERMINAL.
.
O SHELL DO LINUX É O BASH.
.
TUDO NO LINUX É CONSIDERADO ARQUIVO.
.
OS COMANDOS PODEM USAR ARGUMENTOS.
.
.
.
.
.
.
.
.
----------------------------------------------------
Eu quero saber o que significa processos do sistema operacional Linux. O que é isto? Vou pesquisar. Pesquiso muito. As informações são confusas, navego em sites, blogs encaro um monte de sujeira e XXX pelo caminho caótico e sujinho em inglês, português, espanhol e uso um tradutor para sites eslavos. Affff!
.
.
.
.
Mas agora acho que sei o que são processos. :)
.
.
.
.
.
Vou escrever com minhas palavras. Afinal, estas são as minhas anotações e faço o que for preciso para que eu possa entender mais ou menos esta coisa complicadíssima.
.
.
.
.
.
Pograma e comando executados funcionando ou abertos, são processos em execução no sistema que ganham um número para poderem ser controlados. O sistema recebe informações e envia informações.





Os processos tem a ver com entrada e saída. Os processos, é programas ou comandos que estão funcionando no sistema operacional GNU/Linux. Quando o sistema carrega programas ou comando ele coloca eles em execução, então o sistema chama eles de processo e assim, o sistema cria um número para poder controlar eles e estes número é chamado de PID.





Toda vez que o interpretador de comando inicia executando comando ou programa, eles se tornam um processo em execução que precisa se comunicar com o mundo da gente. Os comandos do terminal processam e precisam responder o que processaram para mim.





Eles fazem isto usando o que eu chamo de pipes. Eu inicio um comando no terminal aí, o sistema conecta 3 pipes neste processo para receber dados e enviar dados do mundo interno para o mundo externo (eu) e o que passa pelo cano é o bit.





Os pipes recebem e enviam bits. Cada letra é um bit. Bits são informações computacionais. Posso mandar o sistema processar um texto e o meu texto é passado ao sistema por um pipe. Estes pipes, estes tubos, cada um é chamado hoje em dia por um nome que alguém inventou.





Tem uma saida padrão [stdout=standart-output], uma saída de erro [stderr=standart-error] entre eles está o processo e, ligado ao processo está ligada a entrada padrão [stdin=standart-input]. Todos os pipes tem um número de identificação.




O primeiro pipe que é conectado pelo sistema, é a entrada padrão, o número desta entrada é zero 0 e é o sistema que atribui zero a entrada padrão.





Pela entrada padrão o sistema recebe os dados que eu envio e o nome da entrada padrão é stdin. Quer dizer eu pergunto alguma coisa para o sistema esta pergunta é enviada pela entrada padrão stdin que o sistema identifica pelo número zero.





Depois que ele, o sistema ouve ou recebe, ele precisa responder pra eu. Para responder ele joga a resposta em bit pela saída padrão que eu chamo de pipe stdout e tem o número 1 definido pelo sistema.





O terceiro pipe serve só para informar erros que aconteceram durante a execução de algum comando ou programa que o sistema não conseguiu processar. No meio de um monte de bits que ele tá enviando, o sistema precisa informar se alguma vez aconteceu um determinado erro de alguma coisa.





A mensagem de erro não pode ir pelo pipe 0 nem pode ir pelo pipe 1 então a mensagem é enviada pela saida padrão 2, stderr [standart-error] a saída de erro padrão.





Tudo vai pro terminal.





O Bash direciona tudo isto para o emulador de terminal. É no terminal que eu vou obter respostas, perguntar, comandar, alterar tudo no sistema operacional. Posso ouvir música pelo terminal, ver filmes, ver fotos, calcular, navegar na internet, jogar games no terminal etc... O terminal faz de tudo. Mas nem tudo é simples de fazer.





Então eu posso perguntar e comandar o sistema. O sistema pode ouvir e processar minhas perguntas e comandos. O sistema pode responder algumas das minhas perguntas, nada pessoal (espero). O sistema pode alterar partes dele mesmo. Se eu assim mandar ele faz. Mesmo que seja uma coisa idiota que eu comande e destrua ele. Por isto, é bom eu pensar bem. Pois no final, quem se ferrará será eu. Kkkkkkkk.





Os pipes são file descriptors. Coisa cabeluda de complicada. Kkkkkk. Depois vou pesquisar sobre isto.




Os processos que são comandos ou softwares em execução ouvem, falam e informam pelas entradas e saídas, os erros são informados pela saida de erro.




A entrada padrão no Linux é recebida pelo sistema via o teclado. A entrada padrão no Linux é o teclado. A entrada padrão no Linux é o teclado. Pra não esquecer. Kkkkkkk.





A saida padrão vai imprimir na tela do terminal. A saida padrão vai imprimir na tela do terminal. A saida padrão vai imprimir na tela do terminal. Acho que não vou esquecer isto.





A saida de erro vai imprimir na tela do terminal também. A saida de erro vai imprimir na tela do terminal também. A saida de erro vai imprimir na tela do terminal também. Pra não esquecer.





A saída padrão e a saida de erro ficam misturadas na tela do terminal. A saída padrão e a saida de erro ficam misturadas na tela do terminal. A saída padrão e a saida de erro ficam misturadas na tela do terminal. Acho que não vou esquecer.





O Bash serve como encanador. Consegue conectar saídas padrões de comandos, com entradas padrões de comandos.







QUERO SABER COMO USAR O COMANDO APT, ENTÃO USO NO TERMINAL:





man apt, --help apt, info apt




Procuro o terminal no menu e abro ele. Vou fazendo anotações e executando o que anotei no terminal. Estou executando no terminal o que estou lendo agora.







DE ONDE VEM O TERMINAL?



No inicio dos computadores, só se podia fazer as coisas pelo terminal e ele era um monitor com tela preta, os programas eram feitos para funcionar no monitor terminal e você executava comandos e navegava pela rede e fazia alterações no sistema através deste monitor terminal. Hoje em dia não é mais assim.




Atualmente ainda precisamos de terminais mas os monitores podem fazer muitas coisas a mais e por isto, é possível atualmente usarmos o emulador de terminal.




O interpretador de comandos roda dentro do terminal e o Bash é o interpretador de comando do terminal no Linux.




O prompt significa que tá pronto. O prompt pode ser $ [usuário] ou # [super-usuário].




O legal do terminal, é que para conversar com o terminal do Linux, o sistema, programas do sistema, o Hardware tenho que pensar digitar e recebo resposta dependendo de usar corretamente a linguagem.




A linguagem é o Bash. Existem comandos internos e existem comandos que não são internos. Quem ajuda nesta hora é o sistema operacional.




O comando pwd é um comando interno por exemplo. Você digita pwd e recebe a resposta rapidinho. Tem comandos INTERNOS e comandos do SISTEMA OPERACIONAL.




O modo não interativo é dialogo programado e chama-se SHELL SCRIPTS.




O interpretador de comandos controla a execução dos comandos executados.




Pode-se pausar um processo que esteja acontecendo no terminal por exemplo.




Posso mexer nos processos que estão acontecendo no computador.



Pode-se executar dois processos ao mesmo tempo.



É necessário adquirir costume de usar o terminal para poder fazer diversas coisas simultaneamente, executar mais de um comando ao mesmo tempo e fazer eles se comunicarem.





O MAIS FORTE NO LINUX É O EMULADOR DE TERMINAL COM O INTERPRETADOR DE COMANDOS CHAMADO BASH.






O que é cat? É de CONCATENAR? O que é concatenar? Preciso de um dicionário urgente! :)




man cat [aperto enter]





Eu quero andar com minhas próprias pernas. Quero descobrir coisas sobre comandos. Uso ls --help pra listar todos os arquivos e diretórios e vai mostrar um monte de documentação e posso usar o ls com parametros.



Posso usar --help para aprender muitos comandos. ls, ls -t, man nome_do_comando, info nome_do_comando. O man é mais tradicional, o info é mais atual.




Tem 3 modos de eu aprender usando o terminal:



--help




man




info





Não achei informação sobre uns comandos usando estes 3, tenho que ir buscar no Google. Procurar a info na massa embolada de informação que tem lá com atenção e paciência.




Quero saber como ser administrador super usuário do sistema uso [su] ou [sudo su] digito a senha invisivel ao digitar, e obtenho o resultado:




~$ su
cp pc #





Depois quero saber quem eu sou. Será que sou administrador mesmo? Uso 'whoami'.




cp# whoami
root





Para sair do modo super usuário administrador digito exit e tenho o resultado:




cp pc # exit

[email protected] ~$





Digito então su ou sudo su...



Aperto enter e digito a senha mas não aparece nada no terminal por proteção. Aperto enter. Saio do modo super usuário digitando exit.





Quero saber o quanto de memória tem no meu computador. Quero saber a quantidade de memória livre e usada no sistema. "free -m" digito "free", "free -m", "free -h" e recebo a resposta:





~$ free
total used free shared buff/cache available
Mem: 3955864 1796172 153272 141808 2006420 1743612
Swap: 4194300 0 4194300





~ $ free -m
total used free shared buff/cache available
Mem: 3863 1289 209 201 2364 2099
Swap: 4095 0 4095





~$ free -h
total used free shared buff/cache available
Mem: 3.8G 1.7G 145M 139M 1.9G 1.7G
Swap: 4.0G 0B 4.0G







----------------------------------------------------
Quero saber onde estou no terminal, ou seja, em qual pastinha estou no momento. Então eu digito pwd e recebo a resposta:




$ pwd
/home/rfg/Área de Trabalho




Quero saber o que tem na pasta onde estou. Eu digito ls e recebo a resposta que não tenho nada na minha Área de Trabalho e posso adicionar mais parametros ao ls:




~$ ls
~$ ls -t
~ $ ls -l
~ $ ls -la
~ $ ls -lah






Quero ir para uma pasta que tenha alguma coisa, preciso saber um comando para isto. Pesquiso e acho rapido a resposta.




É o comando cd.




cd - Este comando permite me deslocar entre a árvore de diretórios do sistema. Quando abro um terminal ou seção shell, entro direto no meu diretório pessoal. Para mover-me pelo sistema de arquivos eu devo usar o cd. O comando cd é bom para copiar scripts e arquivos.




"cd /" para ir ao diretório raiz.




"cd" para ir ao seu diretório pessoal.




"cd .." para ir uma pasta antes da pasta onde estou.




”cd -” para voltar a pasta onde estava antes de mudar.





Para navegar através múltiplos níveis de pastas em um só comando, uso por exemplo, "cd /home/cp/Imagens", que me levará diretamente ao pasta Imagens. Para voltar a pasta Home digito cd.





Então volto com o comando cd para pasta inicial que considero ser Home. Digito e recebo resposta:



~$ cd



~ $ ls
Área de Trabalho Downloads Música
Biblioteca do calibre Imagens Público
Documentos Modelos Vídeos





~ $ ls -t
Vídeos Modelos Biblioteca do calibre
Downloads Imagens Música
Documentos Área de Trabalho Público





Quero ir para a pasta Documentos. Digito e acontece o seguinte:




~ $ cd Documentos
[email protected] ~/Documentos $






PESQUISO NA INTERNET:





Uma característica interessante do bash é que ele possui a função de auto-completar os nomes de comandos que foram digitados via entrada padrão. Isso é feito PRESSIONANDO-SE A TECLA TAB; o comando é completado e acrescentando um espaço. Isso funciona sem problemas para comandos internos; caso o comando não seja encontrado, o bash emite um beep. Outro recurso muito interessante do bash, é que você pode repetir um comando executado sem ter que digitá-lo novamente. Isso é possível UTILIZANDO O CARACTERE "!" na frente do comando que você deseja repetir. O BASH BUSCA COMANDOS NO HISTÓRICO.





Agora que estou na pasta documentos, eu quero saber o que tem na pasta documentos, então digito:





[email protected] ~/Documentos $ ls
Formatar-Pendrive-no-Linux-2017




REPETINDO:




LS COM PARAMETROS, FUNÇÕES AUXILIARES, FILTROS PARA MOSTRAR AS COISAS DE UM MODO DIFERENTE.




Digito [email protected] ~/Documentos $ ls
Digito [email protected] ~/Documentos $ ls -t
Digito [email protected] ~/Documentos $ ls -l
Digito [email protected] ~/Documentos $ ls -la
Digito [email protected] ~/Documentos $ ls -lah
Digito [email protected] ~/Documentos $ clear




~/Documentos $ ls -lah
total 140K
drwxr-xr-x 4 rfg rfg 4,0K Abr 20 06:00 .
drwxr-xr-x 33 rfg rfg 4,0K Abr 20 06:05 ..
-rw-r--r-- 1 rfg rfg 1,4K Abr 8 01:27 Formatar-Pendrive-no-Linux-2017





Tem um arquivo chamado: Formatar-Pendrive-no-Linux-2017, e quero criar um arquivo chamado texto.txt, uso o comando touch. Para saber sobre o comando touch abro outro terminal e digito:





~$ man touch





Crio um arquivo chamado texto.txt ou teste.txt, a extensão txt não é necessária para a criação de um arquivo no Linux mas coloco a extensão .txt para não me confundir.





~/Documentos $ touch texto.txt





Confiro o que existe em documentos:




~/Documentos $ ls
Formatar-Pendrive-no-Linux-2017 texto.txt






Quero criar uma pasta chamada texto. Uso mkdir. Para saber alguma coisa pelo terminal sobre o que é mkdir digito man mkdir, --help mkdir, info mkdir e depois eu Digito:




~/Documentos $ mkdir texto




Para apagar arquivos e pastas uso um comando que tem que ter CUIDADO.




rm -rf apaga pastas (CUIDADO!)



rm -r apaga arquivos




Confiro:




~/Documentos $ ls
Formatar-Pendrive-no-Linux-2017 texto
texto.txt




$ ls -lah
total 12K
drwxr-xr-x 3 rfg rfg 4,0K abr 20 13:09 .
drwxr-xr-x 32 rfg rfg 4,0K abr 20 12:00 ..
drwxrwxr-x 2 rfg rfg 4,0K abr 20 13:09 teste
-rw-rw-r-- 1 rfg rfg 0 abr 20 13:06 texto.txt




Acima vejo que toda pasta começa com d e o arquivo -rw







Tem dois arquivos de texto e uma pasta chamada texto.





Quero mover o arquivo texto.txt para dentro da pasta texto, vou usar o comando mv, procuro informação sobre comando mv usando man mv, --help mv e info mv. Então eu digito:




~/Documentos $ mv texto.txt texto




Abro o meu gerenciador visual de arquivos para ver se o icone texto está na pasta texto. Ok. Confere. Comando bem sucedido.




Confiro o que tem em documentos:




~/Documentos $ ls
Formatar-Pendrive-no-Linux-2017 texto





Digito ls -l e obtenho a seguinte resposta do terminal:





~/Documentos $ ls -l
total 8
-rw-r--r-- 1 rfg rfg 1333 Abr 8 01:27 Formatar-Pendrive-no-Linux-2017
drwxr-xr-x 2 rfg rfg 4096 Abr 20 07:08 texto





Limpo as informações da tela do terminal com clear:




~$ clear




Agora vou para a pasta texto:




~/Documentos $ cd texto




Estou na pasta texto e confiro isto com o comando ls:




~/Documentos/texto $ ls
texto.txt




Se eu quiser remover o arquivo texto.txt usaria o comando rm:




~/Documentos/texto $ rm texto.txt




Para criar de novo outro arquivo chamado texto.txt digitaria:




~/Documentos/texto $ touch texto.txt




Agora eu quero escrever alguma coisa no arquivo texto.txt e vou usar primeiro o comando cat que é um dos comandos para mostrar todo o conteúdo do arquivo no Shell. Me informo alguma coisa sobre o cat com o comando 'man cat', 'info cat' e '--help cat' mas não entendo muito bem. Executo:





~/Documentos/texto $ cat texto.txt




Não tem nada no arquivo texto.txt então não aparece nada. Eu sei que posso usar um comando de um programa chamado nano que roda no terminal para escrever neste arquivo pelo terminal, pesquiso sobre o nano digitando no terminal 'nano --help', 'man nano', 'info nano' e então eu digito:





~/Documentos/texto $ nano texto.txt





O nano abre no terminal e eu escrevo no arquivo o seguinte:




Esta é a primeira frase do arquivo texto.txt




Gravo com o comando de teclado ctrl + O , confirmo que é para o nano salvar o arquivo com o nome texto.txt apertando a tecla ENTER e saio com o comando de teclado ctrl+X e agora digito no terminal:





~/Documentos/texto $ cat texto.txt
Esta é a primeira frase do arquivo texto.txt




Poderia visualizar este arquivo com o gedit, mousepad, leafpad, vim entre outros.




Quer dizer que escrevi uma linha no arquivo texto.txt e posso abrir o icone dele em um programa de texto e lá estará escrito a frase. Posso abrir o arquivo num programa de edição de texto e transformar estas letras, mudar de tamanho colorir elas etc...




Posso escrever neste arquivo texto.txt usando o comando echo. Pesquiso man echo, info echo, --help echo.





Estou na pasta texto que está na pasta documentos.





~/Documentos/texto $echo 'segunda linha do arquivo texto.txt' >> texto.txt




~/Documentos $ echo "exemplo de texto terceira linha" >> texto.txt




Note que eu usei >>




Para escrever a primeira linha usaria apenas > O texto a ser escrito no arquivo deve ser abraçado por duas " o simbolo > direciona a frase para o arquivo chamado teste sendo a primeira linha. As linhas seguintes usarão >> e as aspas.




~/Documentos/texto $echo 'esta é a primeira linha escrita usando echo' > texto.txt




Se fizer isto acima, eu apago as duas linhas que escrevi anteriormente.




Para ler o arquivo posso usar o comando head, head -n1, head -n2.



Exemplo:


~/Documentos $ head teste.txt
exemplo de texto 1
exemplo de texto 2




Para ver o final do texto, posso usar tail, tail -n1, tail -n2. O comando head vê o inicio do texto e o comando tail vê o final do texto. Posso adicionar parâmetros a estes comandos.




Exemplo:



~/Documentos $ tail teste.txt
exemplo de texto 1
exemplo de texto 2




Vou para a pasta Home pois digito cd então navegando pelo terminal chego até lá no texto.txt para ver o que está escrito. Faço bem detalhadamente:




~/Documentos/texto $ cd




~ $




~ $ ls
Área de Trabalho Downloads Música
Biblioteca do calibre Imagens Público
Documentos Modelos Vídeos




~ $ cd Documentos




~/Documentos $




~/Documentos $ ls
Formatar-Pendrive-no-Linux-2017 texto texto.txt




~/Documentos $ cd texto




~/Documentos/texto $



~/Documentos/texto $ cat texto.txt
Esta é a primeira frase do arquivo texto.txt
segunda linha do arquivo texto.txt. :)






Quero saber como copiar arquivos e pastas usando o terminal:



cp – Copia arquivos e diretórios. "cp file foo" é para fazer uma cópia exata do arquivo "file" dando-lhe o nome de "foo".




"sudo cp /etc/X11/xorg.conf /etc/X11/xorg.conf-bkp" para gerar uma cópia de segurança exata do arquivo "/etc/X11/xorg.conf" dando-lhe o nome de "/etc/X11/xorg.conf-bkp".





Meu terminal está cheio de letras e informações de comandos quero limpar ele digito o comando clear ou teclo ctrl+l.




~$ clear




Pesquiso e acabo sabendo que se o destino fornecido for o nome de um diretório existente, os arquivos serão copiados para esse diretório, com o mesmo nome. Caso indiquemos um nome de arquivo no caminho de destino, o arquivo de origem será copiado e essa cópia renomeada também. A sintaxe é:




cp [opções] arquivos_origem local_destino





Opções mais comuns:




-i, --interactive
Pergunta se desejamos sobrescrever um arquivo de destino já existente.

-l, --link
Cria hard links para os arquivos em vez de copiá-los.


-n, --no-clobber
Não sobrescrever um arquivo já existente


-p
Preserva as permissões originais do arquivo, incluindo proprietário, grupo, stuid, setgid, tempos da última modificação e acesso.


-r, -R, --recursive
Copia diretórios de forma recursiva.


-s, --symbolic-link
Cria links simbólicos (symlinks) para os arquivos em vez de copiá-los


-u, --update
Copia apenas quando os arquivos de origem forem mais novos que os de destino, ou quando os arquivos de destino estiverem faltando.


-v, --verbose
Modo verboso; explica o que está sendo feito no momento.


--help
Mostra a ajuda básica do comando e sai.


--version
Mostra informações sobre a versão do comando e sai.





Quero saber sobre os comandos more e pipe. Dizem que são bastante utilizados. Em uma pasta que tem bastante arquivo. A pasta etc. A pasta etc quase sempre guarda os arquivos de configuração programas instalados no sistema operacional em alguns sistemas é na pasta opt.




~$ cd /etc



~$ ls


~$ ls -lah



Concatenação de comandos:


~ ls -lah | more [ o more fará uma pausa a cada tela exibita o pipe | liga o ls -lah com o comando more ]






Quero saber a data do dia. Digito no terminal e recebo a resposta:




~ $ date
Qui Abr 20 03:56:35 BRT 2017






Quero saber o calendário digito e recebo a resposta:




~ $ cal
Abril 2017
Do Se Te Qu Qu Se Sá
1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30




Quero saber quando cairá certo dia em outro ano anterior ou posterior usando pipe "|" e "less":




~$ cal 2018 | less




Aperto a tecla Q para sair do calendário. O pipe "|" serve para unir um comando a outro. No GNU/Linux posso unir programas que virão todos juntos.





Se eu quiser sabe o mês 4 de 2013, eu faço assim:




~$ cal 4 2013






Quero saber a temperatura da máquina. Instalo lm-sensors. Digito e recebo a resposta:





~$ sudo apt update ; sudo apt upgrade ; sudo apt install lm-sensors



~ $ sensors
acpitz-virtual-0
Adapter: Virtual device
temp1: +48.0°C (crit = +104.0°C)
temp2: +48.0°C (crit = +104.0°C)

coretemp-isa-0000
Adapter: ISA adapter
Physical id 0: +48.0°C (high = +105.0°C, crit = +105.0°C)
Core 0: +48.0°C (high = +105.0°C, crit = +105.0°C)
Core 1: +48.0°C (high = +105.0°C, crit = +105.0°C)








Quero saber a arquitetura do computador. digito arch que é igual ao comando uname -m, e recebo a resposta:





~ $ arch
x86_64




~ $ uname -m
x86_64







Quero saber o hardware instalado no computador, especificando os endereços digito e recebo a resposta:





$ lsdev
O programa 'lsdev' não está instalado no momento. Você pode instalá-lo digitando:
sudo apt install procinfo




Então digito:




~$ sudo apt install procinfo ; sudo apt update ; sudo apt upgrade ; lsdev




~ $ lsdev
Device DMA IRQ I/O Ports
------------------------------------------------
0000:00:02.0 4000-403f
0000:00:1f.2 44 4060-407f 4080-4083 4090-4097 40a0-40a3 40b0-40b7
0000:00:1f.3 4040-405f
0000:02:00.0 3000-30ff
ACPI 1800-1803 1804-18








lspci - Exibe informações sobre os barramentos PCI do computador e sobre os dispositivos a ele conectados.



~ $ lspci
00:00.0 Host bridge: Intel Corporation Broadwell-U Host Bridge -OPI (rev 08)
00:02.0 VGA compatible controller: Intel Corporation Broadwell-U Integrated Graphics (rev 08)
00:03.0 Audio device: Intel Corporation Broadwell-U Audio Controller (rev 08)








lsusb - Lista informações sobre os barramentos USB do computador e sobre os dispositivos a eles conectados.




~ $ lsusb
Bus 001 Device 002: ID 8087:8001 Intel Corp.
Bus 001 Device 001: ID 1d6b:0002 Linux Foundation 2.0 root hub
Bus 003 Device 001: ID 1d6b:0003 Linux Foundation 3.0 root hub








uname - Este comando exibe várias informações sobre o sistema, incluindo o nome da maquina, nome e versão do Kernel e alguns outros detalhes. É muito útil para verificar qual é o Kernel usado por você.




~ $ uname
Linux





”uname -a” para exibir todas as informações.




~ $ uname -a
Linux rf7E 4.4.0-53-generic #74-Ubuntu SMP Fri Dec 2 15:59:10 UTC 2016 x86_64 x86_64 x86_64 GNU/Linux








Quero saber em tempo real informações sobre o meu sistema linux, digito:




$ top




comandos interativos mais importantes do ”top”.

”k” - Finaliza, ou seja, “mata” um processo.

”m” - Ativa/Desativa a exibição de informações da memória.

”M” - Ordena os processos pelo uso da memória residente.

”N” - Ordena os processos pelos seus PIDs.

”P” - Ordena os processos pelo uso da CPU (este é o padrão).

”ESPAÇO” - Atualiza imediatamente a visualização do quadro de processos.

”h” - Exibe a ajuda dos comandos interativos do ”top”.

”q” - Abandona o comando ”top”.








Quero saber um quadro atual, porém estático dos processos que estão sendo executados no sistema. Digito e recebo a resposta:





~ $ ps
PID TTY TIME CMD
9409 pts/0 00:00:00 bash
12148 pts/0 00:00:00 ps








Quero saber como matar processos sendo executados pelo meu PID enviando um sinal:




”kill -9 1345” para finalizar o processo de PID número 1345. Para saber qual PID de determinado processo que esta sendo executado pode ser utilizado o comando ps



~ $ ps
PID TTY TIME CMD
9409 pts/0 00:00:00 bash
13178 pts/0 00:00:00 ps




~$ kill -9 13178



Fechei o terminal que estava usando.








Quero finalizar processos pelo nome ao invés do PID como faz o comando kill. Uso killall.

Se eu tiver aberto o Firefox e quero fecha ele pelo terminal, se eu digitar no terminal ”killall mozilla-firefox” finalizo processo mozilla-firefox, fechando com isso o navegador web Mozilla Firefox. O nome dos processos ativos pode ser observado com uso do comando ps.









-------------------------------------------------------------------





COMANDOS APT



Aprendendo Sobre Alguns Comando Úteis para uso no Terminal do Ubuntu Mate. Se você não manja inglês, pode pular a parte em inglês sem problemas.





Adicionar repositório




sudo apt add-repository




Para remover repositório




sudo apt add-repository -r




Apagar arquivos velhos baixados



sudo apt autoclean



Remover automaticamente todos os pacotes não usados (após atualização completa e dar reboot)



sudo apt autoremove




Construir fontes de pacotes binarios



sudo apt build




Configura dependências construídas por fontes de pacotes



sudo apt build-dep





Ver o changelog de um pacote



sudo apt changelog





Verifica se não existe dependencias quebradas



sudo apt-get check





Apaga pacotes de arquivos baixados



sudo apt clean





Lista de pacotes contendo um arquivo



sudo apt contains





Lista arquivos dentro de um pacote



sudo apt content





Instala pacote .deb



sudo apt deb (nome do pacote)






12- Mostra rank de info de dependencias para um pacote



sudo apt depends






Atualiza o sistema, removendo/instalando/atualizando pacotes



sudo apt dist-upgrade






Baixa um arquivo pacote .deb



sudo apt download






Edita /etc/apt/sources.listada com seu editor de texto preferido



sudo apt gedit edit-sources







Busca e segue seleções dselect


sudo apt dselect-upgrade







O mesmo que 'dist-upgrade'



sudo apt full-upgrade







List all held packages



sudo apt held






Socorre no caso de comandos



sudo apt help






Mantém um pacote



sudo apt hold





Instala/atualiza pacotes



sudo apt install






lista pacotes baseado em seus nomes



sudo apt list







policy - apresenta as regras/metas policy



sudo apt policy







purge - Remove pacotes e seus arquivos de configuração



sudo apt purge






recommends - List missing recommended packages for a particular package



sudo apt recommends






rdepends - Show reverse dependency information for a package



sudo apt rdepends







reinstall - Download and (possibly) reinstall a currently installed package



sudo apt reinstall






remove - Remove packages



sudo apt remove







search - Search for a package by name and/or expression



sudo apt search






show - Display detailed information about a package



sudo apt show






showhold - Same as 'held'



sudo apt showhold







source - Download source archives



sudo apt source






sources - Same as 'edit-sources'



sudo apt sources






unhold - Unhold a package



sudo apt unhold






update - Download lists of new/upgradable packages



sudo apt update







upgrade - Perform a safe upgrade



sudo apt upgrade






version - Show the installed version of a package



sudo apt version







3- INSTALANDO E CONFIGURANDO






Linux Mint 18.1 Serena
IMPORTANTE


Comando para Deixar o sistema totalmente atualizado que deve ser executado pelo menos, uma vez por semana.



sudo apt update && sudo apt upgrade -y








Linux Mint 18.1 Serena
Consertar pacotes quebrados.



sudo dpkg --configure -a && sudo apt --fix-broken install









Linux Mint 18.1 Serena.2
atualização, update, upgrade do sistema, correção de pacotes interrompidos, correção de pacotes quebrados:



$ sudo apt update && sudo apt upgrade -y && sudo dpkg --configure -a && sudo apt --fix-broken install









Linux Mint 18.1 Serena
Consertar pacotes quebrados e resolver outros problemas como a queda de luz durante a instalação de alguma coisa e instalar sistema mais autal (sudo do-release-upgrade).




$ sudo apt update && sudo dpkg --configure -a && sudo apt --fix-broken install && sudo apt dist-upgrade -y && sudo do-release-upgrade




$ sudo dpkg --configure -a && sudo apt-get check && sudo apt update && sudo apt install -f && sudo apt -f install && && sudo apt --fix-broken install && sudo apt upgrade && sudo apt full-upgrade && sudo apt install -f && sudo do-release-upgrade









Linux Mint 18.1 Serena
Vários comandos apt úteis para o sistema em uma só linha:



Só execute este após instalar tudo que deseja e executar o REBOOT.



$ sudo dpkg --configure -a && sudo apt update && sudo apt install -f && sudo apt -f install && sudo apt update && sudo apt build && sudo apt build-dep && sudo apt-get check && sudo apt dist-upgrade && sudo apt full-upgrade && sudo apt autoclean && sudo apt update && sudo apt upgrade && sudo apt build && sudo apt build-dep && sudo apt-get check && sudo apt update && sudo apt full-upgrade && sudo apt install -f && sudo apt -f install









Linux Mint 18.1 Serena
Abaixo existe quase tudo que uma pessoa precisa para ter uma ótima máquina em casa usando um Ubuntu Mate redondo, mas, não vá copiando e colando.



Existem avisos e observações ao fim de alguns assuntos tratados aquí e, se você não ler, terá que reinstalar teu sistema.



Tua máquina é tua responsabilidade.



Tudo por tua conta e risco, mas, não existe nada aquí que vá danificar seu Hardware ok?



Se você tem uma máquina em boas condições assim ela permanecerá.



Se você tem uma máquina ruim, o tutorial é bom mas, infelizmente não faz milagre.





Linux Mint 18.1 Serena
Lista de Comandos (não executar todos de uma só vez):



sudo apt update && sudo apt upgrade && sudo apt update && sudo apt clean && sudo apt update && sudo apt install -f && sudo dpkg -i --force-all && sudo dpkg --configure-a && sudo apt autoremove && sudo apt update && sudo apt full-upgrade && sudo dpkg --configure -a && sudo apt --fix -broken install && sudo apt dist-upgrade && sudo do-release-upgrade && sudo update manager -d -c && sudo apt -i --force-all && sudo apt-get check && sudo apt update && sudo apt upgrade && sudo apt dist-upgrade && sudo apt install -f && sudo apt update-manager && sudo apt-get check && sudo apt autoclean && sudo apt update && sudo apt upgrade && sudo apt --fix-broken install && sudo apt dist-upgrade && sudo do-release-upgrade && sudo apt dist-upgrade && sudo apt install -f && sudo apt -f install && sudo apt dist-upgrade









Linux Mint 18.1 Serena
Comando Recomendado para resolver o Ubuntu Mate (pode executar tudo):


$ sudo apt --fix-broken install && sudo dpkg --configure -a


$ sudo apt-get check && sudo apt update && sudo apt -y upgrade && sudo do-release-upgrade && sudo apt --fix-broken install && sudo dpkg --configure -a && sudo apt install -f && sudo apt -f install








Linux Mint 18.1 Serena
Pode executar todos de uma só vez:



$ sudo apt-get check && sudo apt update && sudo apt upgrade && sudo apt install -f && sudo apt -f install && sudo dpkg --configure -a && sudo apt --fix-broken install




fonte: documento da FOSSwire.com







Vou instalar o YOUTUBE-INDICATOR agora. Ele monitora a área de transferência e quando percebe que você copiou um link no padrão do YouTube aparece caixa de diálogo pedindo para selecionar o formato que deseja fazer o download do vídeo.





sudo add-apt-repository ppa:atareao/atareao -y ; sudo apt update ; sudo apt-get install youtube-indicator








Conky Manager



$ sudo apt update && sudo apt-add-repository ppa:teejee2008/ppa -y && sudo apt update && sudo apt install conky-manager -y && sudo apt update



Pacotes sugeridos:


sudo apt update && sudo apt install apcupsd audacious moc mpd xmms2 && sudo apt update









Linux Mint 18.1 Serena
instalar o cliente BitTorrent Vuze


Antes de instalar:


sudo rm -Rf /opt/vuze*


sudo rm -Rf /usr/share/applications/vuze.desktop


Baixe o arquivo tar.bz.2 com o browser em:


http://www.vuze.com/download.php


Vá com o mouse na pasta onde fez o download do pacote e abra o terminal neste lugar clicando no botão direito do mouse escolhendo 'abrir no terminal'.





Para descompactar use o comando:

sudo tar -xjvf VuzeInstaller.tar.bz2 -C /opt/





Se o pacote baixado não corresponder a VuzeInstaller.tar.bz2 uma opção válida é renomear o pacote vuze como 'VuzeInstaller.tar.bz2'. e executar o procedimento acima normalmente.





Renomeie a pasta criada. Se ao executar o comando abaixo ocorrer um erro com a mensagem iniciando com “mv: é impossível sobrescrever o não-diretório”, pule este passo.


sudo mv /opt/vuze*/ /opt/vuze





Dê as permissões necessária à execução do programa;

sudo chmod 777 /opt/vuze/





Se seu ambiente gráfico atual suportar (todos suportam menos o LXDE, LXQT, Enlightnment, Blackbox), crie um lançador para o programa, executando o comando abaixo;





echo -e '[Desktop Entry]\n Version=1.0\n Name=vuze\n MimeType=application/x-bittorrent\n Exec=/opt/vuze/vuze %f\n Icon=/opt/vuze/vuze.png\n Type=Application\n Categories=Application;Java;Network;FileTransfer;P2P' | sudo tee /usr/share/applications/vuze.desktop




Se quiser, coloque um atalho na sua área de trabalho usando o gerenciador de arquivos do sistema ou o comando abaixo, e use-o para iniciar o programa.



sudo chmod +x /usr/share/applications/vuze.desktop



cp /usr/share/applications/vuze.desktop ~/Área\ de\ Trabalho/



Para mim, funcionou perfeitamente.






Quando quiser iniciar o programa, digite /opt/vuze/vuze %f em um terminal, seguido da tecla TAB.



Se não gostou e quiser remover o Vuze execute no terminal:




sudo rm -Rf /opt/vuze*


sudo rm -Rf /usr/share/applications/vuze.desktop

Morpheus
24-04-2017, 09:51
Show! bem vindo de volta...se me permite: diminua os espaços entre linhas, torna a leitura um pouco mais amigável.

betagama
24-04-2017, 10:17
Bem Vindo de volta......adorei. Ainda estou me batendo com esse linux....rsrsrsrs....mas eu chego lá.....um dia eu aprendo....hehehe

darksidebr
24-04-2017, 11:40
Obrigado @gu1le (http://tocadacoruja.net/forum/member.php/60833-gu1le).

Polaris
24-04-2017, 15:32
Essa linguagem nerd... valeu @gu1le (http://www.tocadacoruja.net/forum/member.php/60833-gu1le), um dia aprendo..

Polaris
24-04-2017, 15:38
Bem Vindo de volta......adorei. Ainda estou me batendo com esse linux....rsrsrsrs....mas eu chego lá.....um dia eu aprendo....hehehe Tô com a @betagama (http://www.tocadacoruja.net/forum/member.php/68644-betagama)
....rsrsrsrsrsrs.

gu1le
25-04-2017, 16:02
Show! bem vindo de volta...se me permite: diminua os espaços entre linhas, torna a leitura um pouco mais amigável.


Ok. Valeu pela dica e até breve Morpheus

- - - Updated - - -

Ah, e obrigado pelos likes betagama , lopesamanda , Morpheus , Polaris .



O engraçado é que a gente vai brincando com o Linux passa um tempo e quando vê... virou nerd. Kkkkkk. Agora só falta eu sair bradando aos quatro ventos o meu "Orgulho Nerd" Kkkkkkkkkkk.


É muito gratificante fazer isto é impressionante a quantidade de sistemas GNU/Linux que existem e estão em pleno desenvolvimento.


É muita coisa.


São muitas propostas belas e incríveis.


Cada pessoa se identifica com uma, digo isto das pessoas que experimentam, buscam, dedicam um tempo de suas vidas nesta multitude de Distros Linux que eu vejo atualmente e não tem como uma pessoa depois de passar por isto, não dar imenso valor ao Linux.


Acabei sendo mais um, como muitos por aí, colaborando para o crescimento do Linux.


Um script, um arquivo .conkry, um post com dicas, um auxílio em um fórum Linux que as vezes passa procurando resposta para uma outra dúvida e encontra alguém que postou uma dúvida diferente, um pedido de ajuda para um problema que você já teve e resolveu e pronto a gente se sente compelido a ajudar...


E a coisa vai assim em frente sem se importar com idade, nacionalidade... Os projetos não morrem. Atualmente, é só alguém ou um grupo ter interesse e um projeto retorna.




A própeia interface deste Fórum é Linux, vejam quando a gente coloca algum smile tem entre eles o pinguin do Linux o Tux.



:tux:

Morpheus
25-04-2017, 18:35
Preciso Aprender desse tal de linux...

lureinhardt
25-04-2017, 20:09
Você me lembra de um amigo gênio meu que é totalmente aficcionado pelo Linux.
Sempre me senti uma lerda com as explicações dele. Cheia de esperança que quem sabe agora com seus passo a passos tão detalhados eu deixo de parecer tão ignorante:wacko: ou....tão lerda mesmo.

gu1le
25-04-2017, 22:00
Você me lembra de um amigo gênio meu que é totalmente aficcionado pelo Linux.
Sempre me senti uma lerda com as explicações dele. Cheia de esperança que quem sabe agora com seus passo a passos tão detalhados eu deixo de parecer tão ignorante:wacko: ou....tão lerda mesmo.


Tem uma coisa que eu acho engraçada sobre este assunto de ser lerdo. Eu sou lerdo. Não uso Linux profissionalmente. As coisas que aprendi foram por diversão. Depois fiz uns cursos online. Deste jeito, eu cedo tentando entender o que era esta coisa de Linux soube que vou morrer sem saber.

Não tem jeito, nunca saberei a metade dos comandos, como usar e tudo o mais.

As aulas que fiz online um professor disse que ele usava Linux desde que tinha sei lá uns doze anos, entava com trinta e pouco e ainda estava aprendendo porque neste nosso mundo de hoje movido a tecnologia e softwares as coisas mudam de hora em hora e o que temos a disposição hoje é fruto de um incessante trabalho no desenvolvimento em programas.

Coisa de umas três gerações de pessoas em todas as partes do mundo.

O nerd faz estas coisas porque realmente acha divertido, é meio muito estranho... Kkkkkk.

Quando eu estou lendo um livro digital ou assistindo um filme, ou ouvindo uma música, ou batendo uma foto do povo...

Tudo graças a uma porrada de letrinhas amontoadas em arquivos.

Tudo é arquivo.

Cada letra é um bit.

E um amontodado de letrinhas destas faz coisa... o pai pode ver o rosto do neném dentro barriga da mãe. Junto ao coração do pai um marcapasso que dá choques no coração enfraquecido enquanto isto, nas imensas plantações de soja as colheitadeiras e tratores de hoje em dia praticamente dirigem sozinhos. Tantos doentes e inválidos que estão separados da morte apenas pela existencia de máquinas programadas para determinadas funções...

Eu rio e me acalmo aliviado por que ninguém sabe nada. E homens poderosos que não sabem nem digitar "sudo apt update" dirigem nosso planeta e corronpem a tecnologia transformando idéias lindas em armas para o genocídio...

Tudo está apenas em desenvolvimento.

Eu lembro de pessoas que foram jovens na década de setenta...

Quanta coisa mudou.

E eu continuo lutando com meus fantasmas, doenças e monstros. Eu não mudei continuo igual a todo o mundo. To segurando a minha onda e vivendo um dia de cada vez.