PDA

Ver Versão Completa : Anotações Linux Mint - Serena - Parte4



gu1le
24-04-2017, 05:56
2017-Abril





Linux Mint 18.1 Serena
INSTALE



Instalar Systemback:



$ sudo apt update && sudo add-apt-repository ppa:nemh/systemback -y && sudo apt update && sudo apt install systemback -y && sudo apt update










Linux Mint 18.1 Serena
MUDAR A TELA DE BOOT



Como mudar a tela de boot do Ubuntu e seus derivados?
Depois de um tempo pode ficar sem graça ver sempre a mesma tela de boot. A boa noticia é que a animação que você vê no boot do Ubuntu chama-se Plymouth e existe um conjunto de temas que podem ser instalados e configurados para substituir essa tela de boot padrão. A seguir, você verá como fazer essa mudança.




Para mudar a tela de Boot do Ubuntu e seus derivados, você deve fazer o seguinte:




$ sudo apt update && sudo apt install plymouth-theme* && sudo update-alternatives --config default.plymouth



Será exibido um menu com as opções de temas disponíveis. Digite o número de uma das opções e tecle “enter”, para confirmar.



Finalmente, execute o comando a seguir para aplicar as alterações.



$ sudo update-initramfs -u


$ sudo update-grub



Se você quiser instalar um tema separado ou temas específicos, é possível instalar através da Central de programas do Ubuntu, fazendo uma busca por “plymouth theme”.



Está pronto! Reinicie o seu computador, que você já verá a nova tela de boot na inicialização.











Linux Mint 18.1 Serena
Mudar a tela de Boot
Outra opção é o grub-customizer



Se você usa mais de um Sistema Operacional - SO, é provável que já tenha pensado em editar o menu do Grub, para isso podemos contar com o Grub Customizer, que permite, dentre variadas opções, as seguintes:


1
Definir a entrada padrão (o SO) para o boot



2
Definir o tempo de apresentação do menu do Grub



3
Mudar a imagem de fundo do Grub



4
Mudar a resolução de tela para o menu do Grub



5
Definir as cores dos menus



6
Esconder/Apresentar as entradas de boot




Para instalar, vamos usar o PPA:


$ sudo apt update && sudo add-apt-repository ppa:danielrichter2007/grub-customizer -y && sudo apt-get update && sudo apt-get install grub-customizer -y && sudo apt update




Após instalado, o programa estará no menu, em "Sistema".



Como escolher imagens para usar no GRUB? As imagens de fundo do menu GRUB 2 precisam seguir alguns padrões, para serem aceitas pelo programa: estar gravadas nos formatos JPG/JPEG, PNG e TGA a profundidade de cores (JPG/JPEG) deve ser, no máximo, 8-bit (256 cores)




Abra Grub-Customizer e siga caminho abaixo:


configurações-aparencia >> imagem-fundo >> outros-locais >> computador >> home >> seu-usuario >> pasta-imagens >> escolha e pronto



Para saber mais:

http://pplware.sapo.pt/linux/grub-customizer-personalize-o-grub2-do-ubuntu-12-04/











Linux Mint 18.1 Serena
Instale Peek - Crie Gifs animadas [grave uma seleção de sua tela para uma imagem GIF animada] uma janela simples, que pode ser redimensionada para selecionar uma área de tela, e gravar imagens GIF animadas curtas.


sudo add-apt-repository ppa:peek-developers/stable -y && sudo apt-get update && sudo apt-get install peek -y && sudo apt update











Linux Mint 18.1 Serena
INSTALE



Habilitar intel_pstate



$ gksu gedit /etc/default/grub



Na janela que se abrirá, na linha 11 ou onde estiver:



GRUB_CMDLINE_LINUX_DEFAULT="quiet splash



substitua por:



GRUB_CMDLINE_LINUX_DEFAULT="quiet splash intel_pstate=enable"




Depois:



$ sudo update-grub



Reboot a máquina.




Verifique:



$ cat /sys/devices/system/cpu/cpu*/cpufreq/scaling_driver



A resposta deve ser: "intel_pstate"




Aviso: Se você não tem Intel em sua máquina, ou, se você não fizer direitinho como está sendo ensinado, quando você der o Reboot sua CPU não abrirá. Tela preta. Aí você terá que instalar tudo de novo com o seu DvD de boot ou seja lá o que você use e começar a instalação do zero. Existem soluções opcionais avançadas. Pesquise.












Linux Mint 18.1 Serena
Instalar o Gimp no Linux Mint 18.1 Serena


$ sudo add-apt-repository ppa:otto-kesselgulasch/gimp && sudo apt update && sudo apt install gimp




Para remover Gimp:



$ sudo apt install ppa-purge && sudo ppa-purge ppa:otto-kesselgulasch/gimp












Linux Mint 18.1 Serena
Programa para captura de tela HotShot:



$ sudo add-apt-repository ppa:anton+/photo-video-apps -y && sudo apt update && sudo apt install hotshots -y



se não der, instale este:



$ sudo apt install shutter && sudo apt update





ALIASES:



Configurando Aliases



Para configurar aliases, botão direito do mouse e crie um arquivo vazio em seu diretório home com o nome:



.bash_aliases



Observe o ponto no início do nome. Ele tornará o arquivo oculto. Pressione “Ctrl+h” para mostrar os arquivos ocultos.



Observação: Essa configuração valerá pro usuário logado no momento. Caso queira fazer valer pra todo o sistema, insira seus aliases no fim do arquivo /etc/profile (cuidado ao editar este arquivo)





Sintaxe aliases



Usando o seu editor de texto favorito abra o arquivo que você acabou de criar e comece a fazer seus apelidos. Mas há algumas coisas que você deve ter em mente, a sintaxe deve ser:



alias new_name=’old_command’




Ficando algo assim:



alias agi=’sudo apt install’





Usamos o apelido “agi” para chamar o comando sudo apt install. Após a configuração do aliases, se quisesse instalar o aplicativo “vim”, por exemplo, digitaria $ agi vim (que seria o mesmo que $ sudo apt install vim).



O apelido dado a um comando fica a critério do próprio usuário. Apenas tenha o cuidado de não dar apelidos que sejam comandos existentes no bash.
O que usar aliases



Agora que você sabe como configurar aliases e criar seus próprios. Vamos ver o que aliases você pode usar para tirar o máximo proveito dela.





alias e='exit'

alias s='sudo'

alias reb=’sudo reboot’

alias shut='shutdown –h now' #_PL<MN0okm(IJNPLOIKGHJ88..

alias rest='shutdown –r now' #_PL<MN0okm(IJNPLOIKGHJ88..

alias susp='sudo pm-suspend'

alias inst='sudo apt install'

alias rem='sudo apt remove'

alias upd='sudo apt update'

alias acs='apt-cache search

alias documents='cd ~/Documents'

alias downloads='cd ~/Downloads'

alias desktop='cd ~/Desktop'

alias music='cd ~/Music'

alias videos='cd ~/Videos'

alias repac='sudo apt -f instal'











Linux Mint 18.1 Serena
SystemBack



Remasterizar o Sistema (criar um .iso do teu sistema):



$ sudo add-apt-repository -y ppa:nemh/systemback && sudo apt update && sudo apt install systemback



https://launchpad.net/systemback












Linux Mint 18.1 Serena
Instalar Screenlets:



sudo add-apt-repository ppa:noobslab/screenlets/ -y



Atualize o Apt digitando o comando:



sudo apt update



Agora instale o programa com o comando:



sudo apt install screenlets screenlets-pack-all



ou:



$ sudo add-apt-repository ppa:noobslab/screenlets/ -y && sudo apt update && sudo apt install screenlets screenlets-pack-all






FONTE:http://www.superdownloads.com.br/linux/6323-lista-de-comandos-basicos-para-o-terminal-do-linux.htm











Linux Mint 18.1 Serena
Instalando VirtualBox no 16.04



$ sudo apt update && sudo apt install virtualbox





Instale também o "Extension Pack" para poder utilizar dispositivos USB nas suas máquinas virtuais, faça o download em:



https://www.virtualbox.org/wiki/Downloads












Linux Mint 18.1 Serena
GNOME-SUSHI, sim este é o nome do pequeno e compacto aplicativo que nos permite acessar um arquivo sem necessariamente executá-lo.



Para instalar basta digitar na linha de comando ou simplesmente copiar:



$ sudo aptitude install gnome-sushi



Após a instalação basta você acessar algum diretório que contenha mp3, mp4, pdfs, txts, jpegs e imagens em geral, clicar sobre o arquivo e pressionar a barra de espaço, será aberto um visualizador e reproduzirá o conteúdo selecionado, para interromper a execução, basta pressionar ESC ou clicar no ícone da janela para fechar.











Estudos Linux





Ubuntu Aprenda a Trabalhar com o Terminal do Linux (Português do Brasil)



Trabalhar com a linha de comando não é uma tarefa tão assustadora assim. Não tem nenhum conhecimento especial necessário para usar a linha de comando no terminal, porque o terminal é um programa como qualquer outro.


A maioria das coisas em Linux podem ser feitas usando o terminal. Tem ferramentas gráficas para a maioria dos programas, mas, às vezes eles não são suficientes. Aí que o terminal é útil.


Este artigo foi elaborado em máquina virtual usando Ubuntu Mate, um dos melhores sistemas da atualidade.

Para este artigo funcionar direito, deve-se ir lendo e executando imediatamente no terminal.

Depois descanse a mente saia do navegador então volte aqui e faça novamente. Sempre que achar necessário, volte e refaça o caminho. É como na vida.










Começando

Primeiro de tudo, é bom criar um usuário que não seja administrador e assim brincar com o terminal sem medo de danificar o sistema.

Vá em configurações > Administração > usuários e grupos (users and groups).

Na janela configuração de usuários clique no botão adicionar, digite tua senha e escreva um novo nome de usuário por exemplo:

alunox

Crie uma senha para alunox, salve feche e faça logout.
Procure o nome alunox fazendo login como alunox usando a nova senha.
Este usuário terá direitos restritos e quando você voltar a usar seu usuário login oficial tudo estará bem.







Não esqueça:

O terminal diferencia letras maiúsculas de minúsculas.



Nome de alguns símbolos

# - O nome deste símbolo é Cerquilha ou Cardinal
´ - Acento agudo
^ - Acento circunflexo
~ - Til
" - Aspas
/ - Barra
\ - Barra invertida
- Traço







Comando de teclado
Abrir aplicativos
alt + F2



Abrir o terminal
crtl+alt+t


Sair do terminal digite:
exit

Aperte enter










Trabalhando com o terminal


Abra o terminal
ctrl+alt+t


Vamos saber que dia é hoje. Digite:
date

Aperte Enter.

Vamos saber que dia é hoje e quem está online. Digite:
date;who

Aperte Enter.

Agora vamos ver o calendário. Digite:
cal

Aperte enter. O resultado será parecido com isto:

:~$ cal
Fevereiro 2017
Do Se Te Qu Qu Se Sá
1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28







Vamos saber a quanto tempo o sistema está funcionando. Digite:
uptime

Aperte enter.







Saiba seu nome de login. Digite:
whoami

Aperte enter.






Saiba informações sobre o usuário. Digite:
fingure nome-do-usuario

Aperte enter.







Vamos saber qual é a versão do teu sistema. Digite:
lsb_release -a

Aperte enter.

A saida (resposta) do terminal será parecida com esta:

No LSB modules are available.
Distributor ID: Ubuntu
Description: Ubuntu 16.04.2 LTS
Release: 16.04
Codename: xenial







Vamos saber o quanto de memória RAM temos no computador, que tipo de memória temos no computador, quando de memória a máquina suporta e muito mais. Digite:


sudo dmidecode --type memory

aperte enter e digite sua senha.








A saida será parecida com esta:



# dmidecode 3.0
Getting SMBIOS data from sysfs.
SMBIOS 2.8 present.

Handle 0x003E, DMI type 16, 23 bytes
Physical Memory Array
Location: System Board Or Motherboard
Use: System Memory
Error Correction Type: None
Maximum Capacity: 16 GB








Para saber quanta memória RAM estamos usando no momento digite:
free

Aperte enter.


Para saber quanto espaço temos no disco, digite:

sudo fdisk -l

Aperte enter.








Vamos saber informações sobre o usuário. Digite:
finger

Aperte Enter.


kill manda um sinal para um processo interrompendo-o. Liste todos os sinais que podem ser fechados. Digite:
kill -l

Aperte enter.


Anote o numero (PID) do processo que quer terminar. Digite:


kill PID_do_processo_que_quer_terminar

Aperte enter.








O que fazer com o comando uname?


Digite:

uname


Aperte enter

ex. saida:
$ uname
Linux




Digite:

uname -a

Aperte enter.

ex. saida:
$ uname -a
Linux m3g 4.9.7 #1 SMP Sat Feb 4 00:31:05 UTC 2017 x86_64 GNU/Linux



Digite:

uname -s

Aperte enter.

ex. saida:
$ uname -s
Linux



Digite:

uname -n

Aperte enter.

ex. saida:
$ uname -n
m3g



Digite:

uname -r

Aperte enter.

ex. saida:
$ uname -r
4.9.7



Digite:

uname -v

Aperte enter.





Digite:

uname -m

Aperte enter.



Digite:

uname -p

ex. saida:
$ uname -n
m3g



Digite:

uname -i

ex. saida:
$ uname -i
unknown



Digite:

uname -o

ex. saida:
$ uname -o
GNU/Linux



Digite:

uname --help

ex. saida:
$ uname --help
Uso: uname [OPÇÃO]...









O comando cd:


Navegando pelas pastas usando o terminal. Para abrir uma pasta digite:
cd

Aperte Enter







Sintaxe de uso cd:
cd [-L|[-P [-e]]] [dir]


cd é um comando para acessar/navegar entre diretórios.

cd .. é para sair de diretório, note que os dois pontos estão separados do comando.








Normalmente vai utilizá-lo assim:
cd caminho_da_pasta/




Exercício:

Abra o terminal com ctrl+alt+t escreva:
pwd






O resultado será:

~$ pwd
/home/dt


Então usando pwd você nunca se perde. O pwd te diz aonde você está. Mas, o que existe em /home/dt ? O que procuro está em /home/dt/ ?
Para saber o que existe em /home/dt/ usa-se ls.






digite:
ls


O resultado será parecido com este abaixo:


$ ls
Área de Trabalho Música
deja-dup Público
Documentos Vídeos
Downloads
Imagens
Modelos







Sabendo onde estamos e o que existe lá vamos para a Área de Trabalho. Digite:
cd Área\ de\ Trabalho


Aperte enter e você estará na Área de Trabalho.







Agora digite:
cd ..

Aperte enter e você volta a pasta anterior.








Na pasta onde você está, a pasta home, crie um arquivo de texto chamado leitura-semanal com o comando touch. Digite:
touch leitura-semanal.txt








Escreva neste arquivo pelo terminal. Digite:

echo "minha primeira linha" > leitura-semanal.txt
echo "minha segunda linha" >> leitura-semanal.txt
echo "minha terceira linha" >> leitura-semanal.txt


Agora usando mouse vai lá e abre o arquivo com dois cliques e veja se funcionou. :)








Agora vamos ver o que está escrito no arquivo de texto sem precisar abrir digite:
cat leitura-semanal.txt







Legal não é?


Agora faça uma cópia do arquivo leitura-semanal. Digite:


cp leitura-semanal.txt leitura-semanal_copia.txt


Abra a cópia para ver se o que está escrito na cópia confere com o arquivo original.


cat leitura-semanal_copia.txt








Pois bem, agora vá com o mouse no arquivo e dê dois cliques e confira novamente.


Agora remova o arquivo leitura-semanal.txt


rm leitura-semanal.txt



Vamos remover também a cópia que criamos


rm leitura-semanal_copia.txt










Caminho das Pastas - Normalmente quando você está acessando uma pasta via linha de comando, o caminho é exibido da seguinte maneira:


[email protected]_do_computador ~/caminho_da_pasta $


Quando abre o terminal, com ctrl+alt+t o caminho padrão é:

cd /home/$USERNAME/



Quando abre o terminal, com o mouse o caminho padrão é:
cd Área\ de\ Trabalho


$USERNAME representa o nome do seu usuário.


Perceba no caminho acima, que existe um ~/ antes do caminho da pasta, isso significa que você está na pasta /home/$USERNAME/ que é resumido em ~/.


Se não souber o caminho real da pasta, basta digitar cd, dar um espaço e pressionar "TAB" duas vezes rapidamente, com isso será possível visualizar todas as pastas disponíveis para acesso dentro da pasta em que você está.








Exercício:


Abra o terminal crtl+alt+t digite cd dê um espaço e aperte rapido a tecla "Tab" duas vezes.



As pastas são delimitadas por barras (/), por exemplo:


Acessa a pasta raiz do sistema, ou seja, a primeira pasta que pode ser acessada por linha de comando dentro do seu Ubuntu.

cd /


Tentando acessar a pasta "etc" que está dentro da "/" (raiz). Digite:

cd /etc/


Seguindo em frente, acesse a pasta "seu usuário" que está dentro da pasta "home" que está dentro da "/" (Raiz) digite:

cd /home/"seu usuário" /







Note as duas aspas no caminho da pasta "seu usuário", isso serve para escapar os caracteres inválidos que possam existir no nome da pasta, por exemplo: O espaço. Mais explicações adiante mas antes vamos criar uma pasta.






Crie uma pasta chamada "conto" na Área de Trabalho, abra o terminal (ctrl+alt+t) e digite:

cd Área\ de\ Trabalho






Agora crie a pasta conto. Digite:

mkdir conto






Aperte enter


Vamos entrar na pasta conto? Então digite:

cd conto






Aperte enter.



Agora que estamos na pasta contos da Área de Trabalho, iremos criar um arquivo de texto dentro dela. Digite:

touch conto-semanal.txt







Agora vai lá com o mouse mesmo e clica duas vezes na pasta. E aí? ;)



Vamos em frente. Como excluir esta pasta conto? Digite:


cd - (volta uma pasta)






Voltamos uma pasta "cd -", então estamos na Área de Trabalhos. Assim informa o terminal. Para apagar a pasta conto digite:

rm -r conto






Desta forma "rm -r", excluimos a pasta e o texto que criamos. Note que não vai nada para a lixeira. Excluir é diferente de apagar. Os apagados ainda existem na lixeira mas, os excluídos, não existem em lugar nenhum.

Profunda filosofia.








ESCAPANDO de CARACTERES INVÁLIDOS


Existem duas formas de fazer isso, uma é com barras invertidas e a outra colocando o nome da pasta entre aspas, veja outro exemplo:

cd /home/conto/Área\ de\ trabalho/







Antes de cada espaço coloco uma barra invertida (\), assim consigo escapar os espaços para que o terminal entenda.






Para voltar para a pasta anterior basta digitar "cd .." e pressionar "Enter", por exemplo, se você estiver na pasta:




[email protected]_computador ~/Área de trabalho $

(Área de trabalho) Basta digitar:

cd ..




E aperte enter, para voltar na pasta "~/" (/home/seu_usuario/).



ls Lista aquivos ou pasta de um determinado diretórios.


lsusb Lista os periféricos que estão conectados na porta usb.


clear Limpa a “tela" do terminal


cp Comando para copiar um arquivo ou diretório para um outro local





sudo O comando sudo é um dos mais utilizados, faz requerimento de superusuário e requer senha. Digite:





sudo apt update && sudo apt upgrade



sudo su Após digitar a senha todas as funções realizadas no terminal estará sendo feita como superusuário, prática não muito recomendada.

shutdown Desliga o computador com intervalo de tempo.


shutdown -h now Desliga o computador imediatamente.


sudo groupadd -g 10 escritorio Cria um grupo chamado escritório com um número de identificação 10.


sudo groupdel escritorio Deleta o grupo denominado escritório.


groupdel Deleta um determinado grupo.


userdell Exclui um determinado usuário


sudo userdell -r nome_do_usuario A opção -r exclui o diretório do usuário








Sempre que você precisar de ajuda para saber a sintaxe de um comando no seu Ubuntu, basta digitar -- help na frente do mesmo, exemplo uma ajuda para executar o comando ls (que faz a listagem de pastas dentro de um diretório) vai retornar vários exemplos de utilização do comando, além da sintaxe e tudo mais, .





ls --help
man <nome-do-comando>
info <nome-do-comando>










Listando comandos



Agora que você já sabe abrir pastas no terminal do seu Ubuntu, saiba o Ubuntu é seu amigo e quer que você digite o comando da maneira mais fácil possível. Se você começar a digitar o nome do comando e esquecer o restante, basta pressionar a tecla "TAB" duas vezes rapidamente e o Ubuntu irá listar todas as possibilidades que iniciam com aquele termo.








LS (Listando pastas)

o comando ls lista as tudo que está dentro das pastas que você está. Ao abrir o terminal e digitar ls e ver o que será apresentado.



Com isso fica muito difícil não descobrir o nome de uma pasta ou arquivo que está dentro da pasta na qual você está. Note que também é possível listar o nome de pastas especificando um caminho, para isso basta digitar:

ls /caminho/que/deseja/










GREP (filtrando os valores)

"grep" ajuda a buscar um resultado quando estes são muito extensos.

Se você está procurando o nome de um arquivo chamado "xyz" dentro de uma pasta com 14.000 arquivos, para isso basta digitar:

ls /caminho/que/deseja/ | grep xyz


Mais um exemplo, digite:

ls /etc/ | grep ini

o grep lista todas as pastas que contém "ini", ele ainda adiciona uma cor diferenciada no termo pesquisado.



Se você tiver apenas uma idéia sobre o nome do arquivo, como pesquisar?
O comando grep também aceita expressões regulares, veja o exemplo:

ls /etc/ | grep -P "[A-Za-z0-9]_.*?"


O comando acima diz:

"Grep, encontre as palavras que tenham qualquer caracter de A até Z, 0 até 9 e que sejam seguidas por um underline (_) que estão dentro da lista da pasta /etc/ retornada pelo ls".









Du (Resumindo o uso do disco de cada arquivo)

Se você quiser saber o tamanho que uma pasta tem, da certo? É claro, basta utilizar o comando du seguido das opções s (mostra somente o tamanho) e h (tamanho legível para humanos).


Exemplo:

du -sh /home/

Retorna o tamanho da pasta home do seu Ubuntu.

Para maiores informações sobre o comando "du", digite "du --help".









Find (Localizar arquivos e pastas)

Pode-se pesquisar por arquivos e pastas abaixo do diretório atual que você está, veja como:

find -name "*.php"


O comando acima diz:

"find encontre qualquer arquivo (*) com nome (-name) que termine com ".php"

Pode também fazer assim:

find -name "*jpg*"

O find vai achar qualquer arquivo que tenha "jpg" independente do que estiver antes ou depois.



find -name "txt"

O arquivo precisa ter a palavra "txt".










RM (Apagar arquivos)

Para apagar um arquivo basta digitar:

rm nome_do_arquivo

Para apagar completamente uma pasta, basta digitar:

rm -R nome_da_pasta/









Um comando perigoso é este abaixo, força o Ubuntu a apagar uma pasta, pois se você apagar uma pasta que faz parte do sistema e aí acabou. Prepare-se para reinstalar tudo. Por isto, sempre mantenha o backup de tudo que lhe for importante guardado em um periférico externo ao sistema e ao hardware do teu computador.



rm -R nome_da_pasta/


Ou:


rm -r nome_da_pasta/





Atenção Perigo!


Se for na tua Área de Trabalho e você sem querer criou uma pasta com cadeado para remover pode ser que tenha de remover forçado e este é um comando perigoso. Mas dá para executar fora das pastas e arquivos do sistema. Digite:


rm -Rf nome_da_pasta





Antes de usar o comando acima, tente este comando abaixo:

rm -f nome_da_pasta










PS (Visualizando processos)

Para visualizar processos no Ubuntu basta digitar:

ps -aux









Criando pastas na Área de Trabalho - Vamos criar duas pastas, pasta-teste1 e pasta-teste2. Execute o comando "mkdir"




Abra o terminal com ctrl+alt+t



O terminal vai abrir em home.

Escreva no terminal:

cd Área\ de\ Trabalho






Agora, estando na Área de Trabalho, digite:

mkdir pasta-teste1 pasta-teste2





Para remover as pastas digite:

rmdir pasta-teste1 pasta-teste2








Criando usuários por linha de comando

Basta utilizar a sequência:

sudo useradd nome_do_novo_usuario (Usuário)

sudo passwd nome_do_novo_usuario (Senha)

sudo mkdir /home/nome_do_novo_usuario (Diretório)

sudo chown newuser /home/nome_do_novo_usuario (Altera o dono do diretório)

sudo chgrp newuser /home/nome_do_novo_usuario (Altera o grupo)







Apt (Instalando programas)

Para instalar programas no seu Ubuntu basta utilizar o comando "
APT






sudo apt install (nome[s]_do[s]_programa[s])






Para remover programas

sudo apt remove (nome[s]_do[s]_programa[s]) ; sudo apt autoremove








Este é o básico para começar a brincar com o terminal. Poupa muito tempo de pesquisa na internet.





Mantenha-se conectado. Critique. Corrija. De dicas e faça doações.








Finalizando, vamos relembrar:





~$ date # informa a data atual.

~$ cal # informa o dia atual em um calendário.

~$ pwd # nos informa onde estamos quando usamos o terminal.

~$ ls # lista o que existe onde estamos (pastas, arquivos, etc...)

~$ cd # comando para acessar/navegar entre diretórios.

~$ cd .. # para sair de diretório, note que os dois pontos estão separados do comando.

~$ ls # aquivos ou pasta de um determinado diretórios.

~$ lsusb # lista os periféricos que estão conectados na porta usb.

~$ mkdir # cria uma pasta.

~$ rmdir # remove um diretório.

~$ sudo # o comando sudo é um dos mais utilizados, faz requerimento de superusuário. Requer senha.

~$ sudo su # após digitar a senha todas as funções realizadas no terminal estará sendo feita como superusuário, prática não muito recomendada.

~$ clear # limpa a “tela" do terminal.

~$ top # exibe todos os processos que estão sendo executados, utilizando para “matar" um processo que está “travado"

~$ ps # assim como o top também lista os processos que estão sendo executados, porém para "matar" o processo necessita pegar o número do PID e utilizar o comando kill.

~$ kill # comando para "mata" um processo travado por meio do PID que pode ser adquirido por meio do comando ps.

~$ xkill # Digitando e dando enter a seta do mouse vira um X que pode ser movimentado e clicado sobre uma janela do sitema que esteja travada.

~$ cp # comando para copiar um arquivo ou diretório para um outro local

~$ mv # comando para mover um arquivo ou diretório para um outro local

~$ exit # sair do terminal, fechar o terminal

~$ shutdown #Desligar o computador

~$ shutdown -h now #desligar o computador agora



TECLAS DE ATALHO DO TERMINAL

As teclas de atalho podem ajudar muito na sua produtividade. Abaixo temos algumas teclas de atalho que podem ser utilizadas em qualquer distro Linux que use. O exercício pa usar estas teclas é o seguinte copie e cole o texto abaixo no terminal e use as teclas de atalho para percorrer, apagar, repor...

"Este texto um teste para saber como usar as teclas de atalho no terminal. Algumas palavras vamos copiar. Outras vamos colar. Outras vamos percorrer. Vamoso ao inicio do texto com ctrl+a e vamos ao fim do texto com ctrl+e. Existem vários atalhos. Ctrl+a, crtl+e, ctrl+b, etc..."


Ctrl-A: Leva o Cursor ao início de linha

Ctrl-E: Leva o cursor ao fim da linha.

Ctrl-B: Volta um caractere.

Alt-B: Uma palavra para trás.

Ctrl-F: Avança um caractere.

Alt-F: Avançar uma palavra.

Ctrl-U: Apaga todos os caracteres da posição do cursos para trás.

Ctrl-K: Apaga todos os caracteres da posição do cursor para frente.

Ctrl-Shift-V: Colar o texto da área de transferência .

Ctrl-Shift-C: Copie o texto para área de transferência.

Ctrl-L: Limpa a tela.

TAB: Completa os comandos e nomes de arquivos e diretórios.






Comandos básicos do Linux



O Linux (na verdade, GNU/Linux), assim como qualquer sistema operacional moderno, é perfeitamente capaz de oferecer interação com o usuário por meio de gráficos, fazendo com que seja possível utilizar a maioria de seus recursos através do mouse. Porém, em dado momento, o modo gráfico pode não estar disponível, restando apenas o modo texto (para a inserção de comandos). Além disso, determinadas tarefas só podem ser executadas por comandos digitados. Para não ficar perdido em qualquer dessas situações, é necessário conhecer alguns comandos do Linux. É isso que essa matéria apresenta a seguir.








Estudos Linux
Onde e como digitar os comandos?



Se o Linux que você utiliza entra direto no modo gráfico ao ser inicializado (que é o que acontece na grande maioria das distribuições atuais), é possível inserir comandos no sistema através de uma aplicação de terminal. Esse recurso é facilmente localizável em qualquer distribuição. A imagem abaixo, por exemplo, mostra um terminal no Ubuntu Linux:









Estudos Linux
Terminal no Ubuntu Linux



Se o computador que você acessa não estiver com o modo gráfico ativado, será possível digitar comandos diretamente, bastando se logar. Quando o comando é inserido, cabe ao interpretador de comandos (também conhecido como shell) executá-lo. O Linux conta com mais de um, sendo os mais conhecidos o bash e o sh.



Quando um terminal é acessado, uma informação aparece no campo de inserção de comandos. É importante saber interpretá-la. Para isso, veja os exemplos abaixo:







Exemplo 1: [[email protected] /root]#



Exemplo 2: [[email protected] /]$







Observação: dependendo de sua distribuição e de seu shell, a linha de comandos pode ter um formato ligeiramente diferente do que é mostrado nos exemplos. No Ubuntu Linux, por exemplo, o segundo exemplo fica na seguinte forma:




[email protected]: ~$







Nos exemplos, a palavra existente antes do símbolo @ diz qual o nome do usuário que está usando o terminal. Os nomes que aparecem depois do @ indicam o computador que está sendo acessado seguido do diretório.






O caractere que aparece no final indica qual o "poder" do usuário. Se o símbolo for #, significa que usuário tem privilégios de administrador (root). Por outro lado, se o símbolo for $, significa que este é um usuário comum, incapaz de acessar todos os recursos que um administrador acessa. Independente de qual seja, é depois do caractere que o usuário pode digitar os comandos.










-----------------------------
Estudos Linux
-----------------------------
Os comandos básicos do Linux





Agora que você já sabe como agir em um terminal, vamos aos comandos do Linux mais comuns. Para utilizá-los, basta digitá-los e pressionar a tecla Enter de seu teclado. É importante frisar que, dependendo de sua distribuição Linux, um ou outro comando pode estar indisponível. Além disso, alguns comandos só podem ser executados por usuários com privilégios de administrador.








A relação a seguir mostra os comandos seguidos de uma breve descrição:



cal: exibe um calendário





cat arquivo: mostra o conteúdo de um arquivo. Por exemplo, para ver o arquivo infow.txt, basta digitar cat infowester.txt





cd diretório: abre um diretório. Por exemplo, para abrir a pasta /mnt, basta digitar cd /mnt. Para ir ao diretório raiz a partir de qualquer outro, digite apenas cd





chmod: comando para alterar as permissões de arquivos e diretórios. Saiba mais neste artigo sobre permissões





clear: elimina todo o conteúdo visível, deixando a linha de comando no topo, como se o terminal acabasse de ter sido acessado





cp origem destino: copia um arquivo ou diretório para outro local. Por exemplo, para copiar o arquivo infowester.txt com o nome infowester2.txt para /home, basta digitar cp infowester.txt /home/infowester2.txt





date: mostra a data e a hora atual





df: mostra as partições usadas





diff arquivo1 arquivo2: indica as diferenças entre dois arquivos, por exemplo: diff calc.c calc2.c





du diretório: mostra o tamanho de um diretório





emacs: abre o editor de textos emacs





file arquivo: mostra informações de um arquivo





find diretório parâmetro termo: o comando find serve para localizar informações. Para isso, deve-se digitar o comando seguido do diretório da pesquisa mais um parâmetro (ver lista abaixo) e o termo da busca. Parâmetros:





name - busca por nome
type - busca por tipo
size - busca pelo tamanho do arquivo
mtime - busca por data de modificação





Exemplo: find /home name tristania





finger usuário: exibe informações sobre o usuário indicado





free: mostra a quantidade de memória RAM disponível





halt: desliga o computador





history: mostra os últimos comandos inseridos





id usuário: mostra qual o número de identificação do usuário especificado no sistema





kill: encerra processados em andamento. Saiba mais no artigo Processos no Linux





ls: lista os arquivos e diretórios da pasta atual





lpr arquivo: imprime o arquivo especificado





lpq: mostra o status da fila de impressão





lprm: remove trabalhos da fila de impressão





lynx: abre o navegador de internet de mesmo nome





mv origem destino: tem a mesma função do comando cp, só que ao invés de copiar, move o arquivo ou o diretório para o destino especificado





mkdir diretório: cria um diretório, por exemplo, mkdir infowester cria uma pasta de nome infowester





passwd: altera sua senha. Para um administrador mudar a senha de um usuário, basta digitar passwd seguido do nome deste&&



ps: mostra os processos em execução. Saiba mais no artigo Processos no Linux&&





pwd: mostra o diretório em que você está





reboot: reinicia o sistema imediatamente (pouco recomendável, preferível shutdown -r now)





rm arquivo: apaga o arquivo especificado





rmdir diretório: apaga o diretório especificado, desde que vazio&&





shutdown: desliga ou reinicia o computador, veja:





shutdown -r now: reinicia o computador





shutdown -h now: desliga o computador





O parâmetro now pode ser mudado. Por exemplo: digite shutdown -r +10 e o sistema irá reiniciar daqui a 10 minutos&&





su: passa para o usuário administrador, isto é, root (perceba que o símbolo $ mudará para #)&&





tar -xzvf arquivo.tar.gz: extrai um arquivo compactado em tar.gz. Saiba mais no artigo Compactação e descompactação de arquivos com Tar e gzip&&





telnet: ativa o serviço de Telnet em uma máquina.





Para acessar esse computador a partir de outros por Telnet, basta digitar telnet nomedamáquina ou telnet IP.





Por exemplo: telnet 192.168.0.10.





Após abrir o Telnet, digite help para conhecer suas funções





top: exibe a lista dos processos, conforme os recursos de memória consumidos&&





uname: mostra informações do sistema operacional e do computador. Digite uname -a para obter mais detalhes&&





Exemplos: comandos cal e uname -a





useradd usuário: cria uma nova conta usuário, por exemplo, useradd marvin cria o usuário marvin&&





userdel usuário: apaga a conta do usuário especificado&&





uptime: mostra a quantas horas seu computador está ligado&&





vi: inicia o editor de textos vi. Saiba mais aqui&&





whereis nome: procura pelo binário do arquivo indicado, útil para conhecer seu diretório ou se ele existe no sistema&&





w: mostra os usuários logados atualmente no computador (útil para servidores)&&





who: mostra quem está usando o sistema.









Finalizando






Praticamente todos os comandos citados possuem parâmetros que permitem incrementar suas funcionalidades. Por exemplo, se você digitar o comando ls com o parâmetro -R (ls -R), este mostrará todos os arquivos do diretório, inclusive os ocultos.










-----------------------------
Estudos Linux
-----------------------------

Lista de Comandos para verificar erros do sistema:





dmesg [options]





Display or control the kernel ring buffer.





Opções:



-C, --clear clear the kernel ring buffer
-c, --read-clear read and clear all messages
-D, --console-off disable printing messages to console
-E, --console-on enable printing messages to console
-F, --file <file> use the file instead of the kernel log buffer
-f, --facility <list> restrict output to defined facilities
-H, --human human readable output
-k, --kernel display kernel messages
-L, --color[=<when>] colorize messages (auto, always or never)
colors are enabled by default
-l, --level <list> restrict output to defined levels
-n, --console-level <level> set level of messages printed to console
-P, --nopager do not pipe output into a pager
-r, --raw print the raw message buffer
-S, --syslog force to use syslog(2) rather than /dev/kmsg
-s, --buffer-size <size> buffer size to query the kernel ring buffer
-u, --userspace display userspace messages
-w, --follow wait for new messages
-x, --decode decode facility and level to readable string
-d, --show-delta show time delta between printed messages
-e, --reltime show local time and time delta in readable format
-T, --ctime show human readable timestamp (may be inaccurate!)
-t, --notime don't print messages timestamp
--time-format <format> show time stamp using format:
[delta|reltime|ctime|notime|iso]
Suspending/resume will make ctime and iso timestamps inaccurate.

-h, --help display this help and exit
-V, --version output version information and exit








Estudos Linux
Supported log facilities:



kern - mensagens do kernel
user - random user-level messages
mail - sistema de e-mail
daemon - system daemons
auth - mensagens de segurança/autorização

syslog - mensagens geradas internamente pelo syslogd
lpr - line printer subsystem
news - network news subsystem

Supported log levels (priorities):
emerg - system is unusable
alert - ação deve ser realizada imediatamente
crit - condições críticas
err - error conditions
warn - warning conditions
notice - normal but significant condition
info - informational
debug - debug-level messages




For more details see dmesg(1).
[email protected]:/home/ggm/Área de Trabalho#
[email protected]:/home/ggm/Área de Trabalho# dmesg --help




Uso:




dmesg [options]









-----------------------------
Estudos Linux
-----------------------------
Display or control the kernel ring buffer.



Opções:



-C, --clear clear the kernel ring buffer



-c, --read-clear read and clear all messages



-D, --console-off disable printing messages to console



-E, --console-on enable printing messages to console



-F, --file <file> use the file instead of the kernel log buffer



-f, --facility <list> restrict output to defined facilities



-H, --human human readable output



-k, --kernel display kernel messages



-L, --color[=<when>] colorize messages (auto, always or never) colors are enabled by default



-l, --level <list> restrict output to defined levels



-n, --console-level <level> set level of messages printed to console



-P, --nopager do not pipe output into a pager



-r, --raw print the raw message buffer



-S, --syslog force to use syslog(2) rather than /dev/kmsg



-s, --buffer-size <size> buffer size to query the kernel ring buffer



-u, --userspace display userspace messages



-w, --follow wait for new messages



-x, --decode decode facility and level to readable string



-d, --show-delta show time delta between printed messages



-e, --reltime show local time and time delta in readable format



-T, --ctime show human readable timestamp (may be inaccurate!)



-t, --notime don't print messages timestamp
--time-format <format> show time stamp using format:
[delta|reltime|ctime|notime|iso]
Suspending/resume will make ctime and iso timestamps inaccurate.



-h, --help display this help and exit



-V, --version output version information and exit










Estudos Linux




Supported log facilities:


kern - mensagens do kernel

user - random user-level messages

mail - sistema de e-mail

daemon - system daemons

auth - mensagens de segurança/autorização

syslog - mensagens geradas internamente pelo syslogd

lpr - line printer subsystem

news - network news subsystem









Estudos Linux
Supported log levels (priorities):



emerg - system is unusable

alert - ação deve ser realizada imediatamente

crit - condições críticas

err - error conditions

warn - warning conditions

notice - normal but significant condition

info - informational

debug - debug-level messages





sudo apt update && sudo apt -u upgrade && sudo apt -u dist-upgrade && sudo apt -f install && sudo dpkg -i --force-all



sudo apt full-upgrade && sudo apt -f dist-upgrade && update-manager -d -c && sudo apt-get check && sudo dpkg --configure -a




sudo apt clean && sudo apt autoremove && sudo apt autoclean && # make clean && sudo deborphan && sudo deborphan | xargs sudo apt -y remove –purge && gtkorphan








Verificar se ISO está corrompida



Nada pior do que baixar um arquivo enorme e no final, descobrir que ele está corrompido. Pior ainda se for a imagem ISO de sua distribuição favorita. Felizmente existe um recurso que serve para verificar a autenticidade de um arquivo de imagem ISO, e que pode ser usado no download do Ubuntu ou de qualquer outra distro.




Como verificar se uma imagem ISO está corrompida ou adulterada




Nesse tutorial, você verá como verificar se o arquivo baixado teve ou tem algum problema, antes que você grave a imagem e estrague o disco ou faça você usar um software modificado.




Na verdade, a verificação é bastante simples e usa a ferramenta chamada ‘md5sum’, que vem pré-instalada com a maioria das distribuições de Linux.




Como o aplicativo checa se houve alterações no arquivo (utilizando em numero gerado com base no arquivo original), isso também serve para saber se a imagem ISO está corrompida ou adulterada.




Embora baseado na imagem e informações do Ubuntu, o processo abaixo pode muito bem ser feito com imagens ISO de outras distribuições, apenas ajustando os dados específicos de cada uma.







Como verificar se uma imagem ISO está corrompida ou adulterada?






Para verificar a integridade de uma imagem ISO, faça o seguinte:




Passo 1. Depois de baixar a imagem ISO, abra um terminal;




Passo 2. Se necessário, vá para a pasta onde está o arquivo (normalmente será a pasta “Downloads”):

cd Downloads




Passo 3. Execute o comando abaixo para descobrir o código do arquivo baixado. Lembre-se de mudar o nome do arquivo ISO, pois essa informação irá mudar dependendo da versão, arquitetura e da variante do Ubuntu que você baixou:

md5sum ubuntu-15.04-desktop-amd64.iso




Passo 4. O resultado será algo como o seguinte:

53c869eba8686007239a650d903847fd ubuntu-15.04-desktop-amd64.iso




Passo 5. Copie a parte alfanumérica do Terminal (atalho de teclado: CTRL + SHIFT + C. ou use o mouse);




Passo 6. Abra um navegador e vá para a página de Hashes do Ubuntu no endereço;

https://help.ubuntu.com/community/UbuntuHashes

Como verificar se uma imagem ISO está corrompida ou adulterada




Passo 7. Clique na versão baixada, acesse a página de download e clique no arquivo cujo nome é “MD5SUMS”;

Como verificar se uma imagem ISO está corrompida ou adulterada




Passo 8. Ao fazer isso, o navegador mostrará o conteúdo do arquivo, que é a listagem dos hashs das imagens ISO. Se o código da imagem ISO for o mesmo que você encontrou, então você já pode gravar a imagem ISO e instalar o sistema.










-------------------------------------------
*Principais Comandos do Terminal no LINUX*
-------------------------------------------







1. ls (lista o conteúdo de um diretório)
Exemplo: $ ls




2. ls -a (lista os diretórios, arquivos oculto e executáveis)
Exemplo: $ ls -a




3. ls -l (Lista o conteúdo de um diretório detalhadamente)
Exemplo: $ ls -l




4. pwd (mostra o diretório corrente)
Exemplo: $ pwd




5. cd (muda de diretório)
Exemplo: $ cd /etc




6. cd - (volta para o diretório anterior)
Exemplo: $ cd -




7. cd .. (volta um diretório acima)
Exemplo: $ cd ..




8. cd ~ (volta para seu diretório /home)
Exemplo: $ cd ~




9. mkdir [pasta] (cria uma pasta com o nome desejado)
Exemplo: $ mkdir programas




10. mkdir [pasta1] [pasta2] (cria pasta1 e pasta dois ao mesmo tempo)
Exemplo: $ mkdir teste1 teste2




11. mkdir -p [pasta]/[sub-pasta] (cria um diretório e um sub-diretório)
Exemplo: $ mkdir -p teste3/teste3_1




12. rm -r [pasta/arquivo] (deleta uma pasta ou arquivo)
Exemplo: $ rm -r teste3




13. mv [arquivo1] [arquivo2] (renomeia uma pasta)
Exemplo: $ mv teste teste2




14. mv [arquivo] [caminho] (move o arquivo para um determinado caminho)
Exemplo: $ mv imagem. jpg ~/t4k_slack/Wallpapers




15. cp [arquivo] [caminho] (copia um arquivo para um determinado caminho)
Exemplo: $ cp imagem.jpg ~/t4k_slack/Wallpapers




16. ln -s [caminho] [link] (cria um link)
Exemplo: $ ln -s /usr/bin/limewire limewire




17. type [executável] (busca o caminho de um executável)
Exemplo: $ type limewire




18. cat > [arquivo] (cria novo arquivo)
Exemplo: $ cat > teste.txt




19. cat [arquivo1] >> [arquivo2] (acrescenta arq.2 em arq.1)
Exemplo: $ cat teste1 >> teste2




20. touch [arquivo] (cria um arquivo)
Exemplo: $ touch teste




21. diff [arquivo1] [arquivo2] (compara os dois arquivos)
Exemplo: $ diff teste1 teste2




22. locate [arquivo] (localiza o arquivo desejado]
Exemplo:$ locate JimiHendrix. jpg




23. head [-linhas] [arquivo] (mostra as primeiras linhas de um arquivo)
Exemplo:$ head -10 texto.txt




23.tail [-linhas] [arquivo] (faz exatamente o contrário do comando anterior)
Exemplo:$ tail -20 texto.txt




24. less [arquivo] (mostra o conteúdo de um diretório)
Exemplo:$ less texto.txt




25. more [arquivo] (mostra o conteúdo de um arquivo)
Exemplo:$ more texto.txt




26. nl [arquivo] (mostra quantas linhas tem no arquivo)
Exemplo:$ nl texto.txt




27. wc [arquivo] (lista número de linhas, palavras e bytes de um arquivo)
Exemplo:$ wc texto.txt




28. [comando1] | [comando2] (conecta dois processos)
Exemplo:$ vi /etc/X11/xorg.conf | more




29. sleep [tempo] && [comando] (executa um comando em um determinado tempo)
Exemplo:$ sleep 2 && pwd




30. echo [mensagem] (exibe uma mensagem em seu shell)
Exemplo:$ echo Olá Big Linux




31. alias [comando/atual] [comando_novo] (muda o nome de um comando)
Exemplo:$ alias dir=ls -l




32. history (lista os últimos 500 comandos que você digitou)
Exemplo:$ history





33. su (muda para o super usuário root, precisa da senha)
Exemplo:$ su, no Big Linux para ter acesso como administrador sem digitar su, digite "sudo su" sem aspas.




34. su [usuário] (muda para outro usuário, também necessita da senha)
Exemplo:$ su fulano




35. shutdown (reinicia o sistema)
Exemplo:$ shutdown




36. reboot (reinicia a máquina com emergência)
Exemplo:$ reboot




37. passwd (troca sua senha)
Exemplo:$ passwd




38. uname (mostra o sistema operacional)
Exemplo:$ uname




39. uname -a (mostra o sistema operacional, nome da máquina, versão do kernel e etc)
Exemplo: $ uname -a





40. dmesg (mostra informações do sistema)
Exemplo: $ dmesg





41. top -d [segundos] (informações detalhadas dos processos)
Exemplo: $ top -d 3





42. ps (mostra os processos corrente "PID")
Exemplo: $ ps





43. killall [programa] (força o término de um programa)
Exemplo: $ killall xmms





44. xkill (transforma o ponteiro do mouse em um assassino de programa)
Exemplo:$ xkill






45. mkfs.ext2 (formata um disquete em formato Linux)
Exemplo: $ mkfs.ext2 /dev/fd0





46. superformat (formata um disquete em formato DOS)
Exemplo: $ superformat /dev/fd0





47. vmstat [-tempo] (mostra a memória swap em uso)
Exemplo: $ vmstat -2





48. arch (mostra a arquitetura do seu PC)
Exemplo: $ arch





49. lsmod (lista os módulos da sua máquina)
Exemplo: $ lsmod





50. insmod [módulo] (levanta um módulo forçadamente, requer root)
Exemplo: # insmod spca5x





51. adduser (adiciona um usuário no sistema, requer root)
Exemplo:# adduser





52. userdel [usuário] (deleta um usuário, requer root)
Exemplo: # userdel fulano





53. userdel -r [usuário] (deleta o usuário e sua pasta que se encontra no diretório /home,
requer root)
Exemplo: # userdel -r fulano





54. chfn [usuário] (muda informações de um usuário, requer root)
Exemplo: # chfn fulano





55. chage -M [dias] [usuário] (expira um usuário, no dia pré-determinado, requer root)
Exemplo: # chage -M 20 fulano





56. display [imagem.jpg] (mostra uma imagem no X, necessita do ImageMagick)
Exemplo: $ display imagem. jpg





57. convert [imagem.png] [imagem.jpg] (converte o formato .png para . jpg, necessita
também do ImageMagick)
Exemplo: $ convert imagem.png imagem.jpg





58. chmod (altera permissões)
Exemplo: # chmod 666 /dev/hdd





59. mount [device] (monta um dispositivo)
Exemplo: $ mount /mnt/cdrom





60. umount [device] (desmonta um dispositivo)
Exemplo: $ umount /mnt/cdrom





61. eject (abre a gaveta do cd-rom)
Exemplo: $ eject /mnt/cdrom





62. eject -t (fecha a gaveta do cdrom)
Exemplo: $ eject -t /mnt/cdrom





63. halt (desliga o PC)
Exemplo: $ halt





64. date (informa o dia e a hora)
Exemplo: $ date





65. hostname (informa o nome da máquina)
Exemplo: $ hostname





66. du [diretório] (fornece o tamanho de um diretório)
Exemplo: $ du pasta





67. du -S [sub-diretórios] (fornece o tamanho do sub-diretório)
Exemplo: $ du -S sub_pasta





68. [comando] & (inicia um processo em segundo plano e deixa o terminal livre para
trabalhar)
Exemplo: $ gkrellm &





69. cal (mostra um calendário do mês atual)
Exemplo: $ cal





70. cal [ano] (mostra os 12 meses de um determinado ano)
Exemplo: $ cal 2005





71. last [-quantidade] (mostra informações sobre os últimos logins, onde em quantidade
você indica o número de logins)
Exemplo: $ last -10





72. tar -zxvf[arquivo.tar.gz] (descompacta um arquivo em formato .tar.gz)
Exemplo: $ tar -zxvf amsn-0.94.tar.gz





73. tar -jxvf [arquivo .tar.bz2] (descompacta um arquivo no formato .tar.bz2)
Exemplo: $ tar -jxvf gkrellm-0.12.tar.bz2





74. clear (limpa a tela do shell)
Exemplo: $ clear





75. free (mostra detalhes sobre a memória RAM)
Exemplo: $ free





76. time [comando] (mede o tempo gasto para abrir um programa)
Exemplo: $ time amsn





77. uptime (mostra o tempo desde do último boot)
Exemplo: $ uptime





78. lsattr [arquivo/diretório] (lista atributos de um arquivo ou diretório)
Exemplo: $ lsattr arquivo





79. whereis [executável/comando] (localiza o caminho de um executável/comando)
Exemplo: $ whereis amsn





80. who (mostra quem está conectado ao sistema nesse momento)
Exemplo: $ who





81. wget -c [URL] (faz download de arquivo na internet)
Exemplo: $ wget -c http://www.lugar.do.download/






82. whoami (mostra quem se logou primeiro no sistema)
Exemplo: $ whoami





83. lspci(lista os componentes PCI do seu computador)

Exemplo: $ lspci






84. init 6 (faz reiniciar o computador mais rápido)

Exemplo: $ init 6






85. init 0(faz desligar o computador mais rápido)
Exemplo: $ init 0






86. startx (inicia a interface gráfica padrão do sistema)

Exemplo: $ startx

Morpheus
24-04-2017, 09:54
Eu ainda entro nesse mundo linux...

darksidebr
24-04-2017, 11:39
Obrigado @gu1le (http://tocadacoruja.net/forum/member.php/60833-gu1le).

Polaris
24-04-2017, 15:48
Lá vamos nós !!!! Linux Mint neles !!!!